Grupo EDP castiga Lisboa ao negociar em baixa. Europa segue no ‘vermelho’

As principais praças europeias estão hoje a negociar em terreno negativo, apenas com Londres a negociar no ‘verde’. A bolsa portuguesa está a perder 0,45%, castigada pelas perdas do grupo EDP.

A bolsa de Lisboa está a perder 0,45% para 5.365,75 pontos no meio da sessão desta quarta-feira, 15 de setembro. No índice lisboeta, o grupo EDP lidera as perdas.

A EDP surge a cair 2,67% para 4,69 euros, enquanto a EDP Renováveis perde 2,02% para 22,34 euros. A Pharol deprecia 2,24% para 0,09 euros, enquanto a Ibersol desvaloriza 1,36% para 5,80 euros e a Semapa recua 1,12% para 12,36 euros.

No sentido contrário, a Galp sobe 1,24% para 8,32 euros, a Altri cresce 0,82% para 5,55 euros, a Sonae valoriza 0,68% para 0,89 euros, a Jerónimo Martins avança 0,56% para 17,91 euros e o BCP ganha 0,39% para 0,13 euros.

A Greenvolt insurge-se ao ganhar 4,01% para 6,75 euros. Esta subida acontece em vésperas da empresa liderada por João Manso Neto subir à negociação do PSI20. Também a Martifer soma 5,56% para 0,76 euros.

“Em território nacional destaque para a Greenvolt que valoriza mais de 3%, perfazendo a 9ª sessão consecutiva de ganhos. De notar que a empresa de energias renováveis vai integrar o PSI20 ao fecho de sexta-feira”, relembra Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium investiment banking.

“Bolsas europeias negoceiam na sua maioria em baixa, com Footsie100 a ser a exceção às perdas. O índice espanhol IBEX é o que mais recua, castigado pelas quedas da Iberdrola e Inditex, com a retalhista a reagir à revelação de lucros semestrais ligeiramente aquém do esperado. No exterior o setor de Retalho e Utilities são os mais penalizados no universo Stoxx600, com o primeiro a ser pressionado pelo fraco crescimento das vendas a retalho da China no mês de agosto (2,5% vs Est.7%)”, afirma o analista de mercados do Millennium investiment banking.

“Já as Utilities estão a ser castigadas, depois de vários governos anunciarem que estão a ponderar tomar medidas para tentar reduzir o impacto da subida dos preços energéticos no consumidor. Itália foi o país, mais a apresentar, mais recentemente, planos pretendendo usar fundos públicos para reduzir o impacto da subida dos preços do gás na fatura dos contribuintes”, nota.

As principais praças europeias estão hoje a negociar em terreno negativo. Frankfurt está a desvalorizar 0,21% e Paris perde 0,55%. Madrid está neste meio da sessão a depreciar 0,86%, Londres soma 0,07% e Itália recua 0,33%. O Euro Stoxx segue a desvalorizar 0,39% para 4.175,15 pontos.

Quanto ao valor do ‘ouro negro’, o preço do petróleo WTI, produzido no Texas, ganha 1,39% para os 71,44 dólares por barril, também com a cotação do barril de Brent a valorizar 1,26% para os 74,53 dólares.

No mercado cambial, o euro valoriza 0,25% face ao dólar, para 1,1831 dólares, e a libra esterlina soma 0,16% face à moeda dos Estados Unidos, para os 1,3828 dólares.

Recomendadas

PSI-20 tomba com queda de mais de 4% do BCP e Greenvolt. Imobiliária chinesa arrasa bolsas

As bolsas europeias encerram em baixa, condicionadas pelo risco de colapso da gigante de imobiliário Evergrande e o seu impacto potencial no sistema. A banca foi dos sectores mais afetados a par com o de recursos naturais. Por cá, a Greenvolt teve uma estreia negativa, pois caiu quase 5% na sessão.

Preocupações sobre ritmo da recuperação económica afetam Wall Street

No arranque da sessão as ações de entidades bancárias como o Morgan Stanley estão a cair 2,88%, enquanto o JP Morgan desce 2,36%. Já o Bank of America deprecia 3,04%.

Valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário atinge 10,7 mil milhões em agosto

O valor sob gestão é ligeiramente superior a julho. A Square AM (11,8%), a Interfundos (11,7%) e a Caixa Gestão de Ativos (9,1%) detinham as quotas de mercado mais elevadas.
Comentários