Grupo EDP impulsiona bolsa de Lisboa

Na bolsa portuguesa, dez empresas cotadas valorizam e oito empresas desvalorizam.

O principal índice bolsista português (PSI 20) soma 0,09%, para 5.440,58 pontos, em linha com as principais praças europeias esta quinta-feira, 20 de fevereiro. Na bolsa portuguesa, dez empresas cotadas valorizam e oito empresas desvalorizam.

O setor energético negoceia em alta. A EDP avança 0,65%, para 4,95 euros, a EDP Renováveis, ganha 0,92%, para 13,12 euros, e a REN valoriza 0,54%, para 2,79 euros.

Antes da abertura da sessão, a EDP Renováveis reportou um resultado líquido de 475 milhões de euros em 2019, mais 52% do que o registado em 2018. No último ano as receitas da energética cresceram 7%, para 1.824 milhões de euros, favorecida pela maior capacidade e por maiores recurso eólicos. O EBITDA aumentou 27%, para 1.648 milhões de euros.

A EDP vai apresentar as suas contas relativas a 2019 esta quinta-feira, depois do fecho da sessão. Os analistas preveem que a empresa liderada por António Mexia tenha alcançado um lucro trimestral de 317 milhões de euros e um EBITDA de 891 milhões.

O setor da pasta e papel também dá o seu contributo ao PSI 20: a Navigator ganha 0,13%, para 3,09 euros, e a Semapa soma 0,33%, para 12,14 euros.

A retalhista Sonae (0,67%), a telecom NOS (0,14%) e a Pharol (0,81%) também ajudam a bolsa portuguesa a negociar no verde.

Em terreno negativo, negoceiam BCP, Altri, Jerónimo Martins e Sonae capital.

Ler mais

Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários