Grupo português dono da Toys “R” Us Ibéria cresce na Europa

A Green Swan adquiriu a Maxi Toys, retalhista com lojas na Bélgica, França, Luxemburgo e Suíça. A empresa portuguesa torna-se um dos principais ‘players’ europeus no setor dos brinquedos.

A Maxi Toys, retalhista de brinquedos com lojas na Bélgica, França, Luxemburgo e Suíça, está a ser adquirida por um novo acionista, a Green Swan, que adquiriu a Toys “R” Us Espanha e Portugal no ano passado.

Simultaneamente com esta aquisição, a empresa torna-se um dos principais players europeus, com planos de expandir ainda mais a marca Maxi Toys, continuando com a abordagem multicanal e adicionando inovação e experiência personalizada em loja.

Paulo Andrez, CEO da Green Swan considera que está “a conseguir revolucionar” o mercado de brinquedos. “Uma revolução que mostra que as lojas de brinquedos são muito mais do que apenas produtos e uma indústria para famílias e pessoas de todas as idades. Com a Maxi Toys, vemos um grande potencial para oferecer ao cliente, permitindo-lhe uma experiência pessoal ainda melhor, na loja, on-line e em combinações dos dois, adicionando Inovação, que é o driver da Green Swan”, acrescenta.

Já Alain Hellebaut, CEO da Maxi Toys, revela que a “aquisição permitirá à Maxi Toys avançar ainda mais no caminho de crescimento multicanal no campo do marketing, gestão e experiência ao cliente. Dentro do novo grupo, a Maxi Toys terá a oportunidade de ser ainda mais desenvolvida enquanto marca internacional”.

A transação está sujeita às necessárias aprovações e processos legais nos mercados. Com a aquisição da Maxi Toys, as operações da Green Swan alcançam seis mercados europeus e um total de 230 lojas. Não foi dado nenhum detalhe financeiro sobre a operação.

Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários