‘Guerra comercial’ ameaça prejudicar a economia mundial, estima OCDE

O impacto na economia mundial sobre este aumento nas taxas poderá ser quantificado em quase 600 mil milhões de dólares (537 mil milhões de euros), estima a OCDE. A entidade afirma que tanto os EUA como a China vão sair a perder deste medir de forças alfandegárias.

Presidente chinês, Xi Jinping, e governante norte-americano, Donald Trump, conversam durante evento em Pequim, em 2017 | REUTERS/Thomas Peter

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OECD) afirma que um aumento na disputa entre Washington e Pequim provavelmente resultaria num tombo até 0,7% no PIB global até 2021-22.

A estimativa faz parte do Economic Outlook de maio divulgado esta terça-feira, onde a OCDE baixa a previsão de crescimento económico mundial.

“Estima-se que as novas medidas anunciadas em maio, se mantidas, irão reduzir potencialmente o PIB ainda mais nos EUA e na China em 0,2-0,3% adicionais, em média, em 2021 e 2021”, adianta a OCDE, referindo que o impacto no aumento nos preços no consumidor seria de 0,3% em 2020.

Perante tal cenário, o impacto na economia mundial sobre este aumento nas taxas poderá ser quantificado em quase 600 mil milhões de dólares (537 mil milhões de euros), escreve o The Guardian.

Emitindo uma avaliação pessimista da economia global à medida que as tensões entre as duas maiores economias do mundo continua a ferver, a OCDE disse que o ímpeto económico mundial enfraqueceu de forma acentuada e que o crescimento deverá permanecer num nível abaixo do esperado. A entidade afirma que tanto os EUA como a China vão sair a perder deste aumento de taxas.

O cenário base aponta para um crescimento dos EUA de 2,8% em 2019, desacelerando depois para 2,3% em 2020. Já a China deverá travar para um crescimento de 6,2% em 2019 e depois 6% em 2020

“O comércio mundial iria crescer perto de 1% abaixo do cenário base até 2021, com o volume de importações nos EUA e na China a registar quedas de cerca de 2%”, estima a equipa da OCDE, assinalando que o PIB norte-americano seria 0,6% mais baixo e o chinês 0,8%. Os principais parceiros comerciais dos dois países, nomeadamente a União Europeia, seriam afetados dado que a procura iria contrair.

A longa disputa comercial entre as duas super-potências económicas intensificou-se inesperadamente no início deste mês, quando Trump aumentou as taxas aos chineses, passando de 10% para 25%, os cerca de 200 mil milhões de dólares em produtos chineses que chegam aos EUA. A China rematou com tarifas sobre 60 mil milhões de dólares em importações dos EUA.

Ler mais
Relacionadas

Mais otimista, OCDE revê em alta crescimento da economia da zona euro para 1,2% este ano

OCDE cortou para 3,2% a estimativa do crescimento da economia global este ano. No entanto, revê em alta as previsões sobre a expansão da economia da zona euro, que deverá ser suportada pelo consumo privado, ainda que a incerteza política, a fraca procura externa e a baixa confiança empresarial continuem a pesar.

OCDE corta estimativa do crescimento da economia portuguesa em 2019 para 1,8%

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico destaca que têm sido os fatores internos a suportar a expansão do PIB e que o consumo privado deverá continuar a aumentar, mas que o menor dinamismo da economia dos parceiros comerciais de Portugal terá impacto negativo nas exportações portuguesas.

PME portuguesas empregam mais de três quartos da força de trabalho nacional

Segundo o último ‘outlook’ da OCDE, apesar de o país ter feito progressos na burocracia destes pequenos e médios negócios, os procedimentos administrativos e de licenciamento para mantêm-se mais difíceis quando comparado com a generalidade dos outros países-membros desta organização internacioanal.
Recomendadas

Investimento de 50 milhões vai permitir ao Alqueva ter o maior projeto fotovoltaico flutuante da Europa

Esta foi a solução encontrada pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para fazer face aos custos elevados que a EDP cobra pelo fornecimento de energia às centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

Moody’s: Portugal com economia em risco a partir de 2030 devido ao envelhecimento da população

Para contrariar os riscos de recessão económico, a agência defende que devem ser tomadas medidas que aumentem o crescimento da produtividade ou que sustentem o crescimento económico.

Alunos deslocados têm de se registar todos os anos no portal do Fisco para deduzir a renda

A renda paga pelos alunos que estão a estudar a mais de 50 quilómetros de casa pode ser deduzida ao IRS, mas para tal é necessário que todos os anos o estudante comunique ao fisco que se encontra deslocado.
Comentários