Guerra comercial: EUA e China querem encetar novas negociações

Steve Mnuchin, representante do secretário de Estado do Tesouro, e o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, têm estabelecido contactos privados para encetar novas negociações comerciais entre os dois países. Tensão entre os dois países tem criado distúrbios na economia mundial.

Kevin Lamarque/REUTERS

Os Estados Unidos e a China estão a tentar desenvolver conversações para evitar uma guerra comercial em maior escala entre as duas maiores economias mundiais, noticia a Bloomberg, esta terça-feira.

Segundo apurou a publicação, Steve Mnuchin, representante do secretário de estado do tesouro, e o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, têm estabelecido contactos privados para encetar novas negociações comerciais entre os dois países.

Até ao momento, apenas a necessidade de realizar mais negociações foi acordada, num primeiro passo, para desbloquear as relações entre os dois países que, nas últimas semanas, não têm sido frutíferas. Ainda nesta semana, espera-se que altos membros da administração de Donald Trump se reúnam para discutir a postura comercial norte-americana em relação à China.

Norte-americanos e chineses já tiveram três rondas de conversações formais. Mnuchin deslocou-se a Pequim em maio e Liu He viajou para Washington pouco mais tarde. Os dois países emitiram um comunicado conjunto anunciando o compromisso para reduzir o défice comercial norte-americano com a China, mas Donald Trump afastou-se do acordo ao referir que as próximas negociações deveriam assumir “uma estrutura diferente”.

A estratégia de Donald Trump em diminuir o défice comercial em relação à China tem assentado na ameaça de imposições de tarifas às importações de produtos chineses. O FMI teme que o maior crescimento económico dos últimos anos esteja em perigo, depois dos distúrbios dos mercados financeiros e do receio que se gerou à volta de uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, causados pelas tensões entre os dois países.

A Bloomberg informa ainda que “a próxima onda de tarifas norte-americanas começa a produzir efeitos já esta quarta-feira com a possível imposição de tarifas às importações chinesas em 16 mil milhões de dólares”. O governo chinês vai responder com tarifas de igual valor.

Ler mais

Relacionadas

Serviços de informação dos EUA acreditam que Coreia continua a construir mísseis

Os serviços de informação dos Estados Unidos acreditam que a Coreia do Norte está a construir novos mísseis, informou segunda-feira o jornal norte-americano Washington Post.

Bancos centrais centram atenções. Ao contrário dos EUA, Reino Unido deverá subir juros

Quatro bancos centrais reúnem-se esta semana e centram as atenções dos investidores. A Fed não deverá fazer mudanças nos juros de referência, mas a expetativa é elevada já que será o primeiro encontro desde as duras críticas de Donald Trump.
Recomendadas

Euro segue acima de 1,21 dólares em máximo de dois meses  

O euro subiu esta sexta-feira para máximos de dois meses face ao dólar, após terem sido divulgados dados fracos do emprego nos Estados Unidos, que devem afastar a possibilidade de uma redução em breve dos estímulos monetários.

ISEG estima que economia portuguesa cresça até 4,5% em 2021

Os economistas desta facultade de economia anteveem, numa primeira análise, que o crescimento homólogo do PIB português no segundo trimestre se deverá situar entre os 10% a 15%.

Falta de mão de obra limitou crescimento do emprego nos Estados Unidos em abril

As empresas do sector não agrícola contrataram só 266 mil empregados, depois dos 770 mil verificados no mês de março. A taxa de desemprego subiu para os 6,1% em abril, mais 0,1 pontos percentuais do que o registado no mês anterior.
Comentários