Guerra comercial pressiona mercados e bolsa portuguesa acompanha Europa em queda

PSI 20 perde 0,51%, para 4.767,88 pontos, em linha com as principais congéneres europeias.

O principal índice bolsista português (PSI 20) perde 0,51%, para 4.767,88 pontos, em linha com as principais congéneres europeias esta segunda-feira, 26 de agosto. A bolsa nacional é influenciada pela conjuntura externa, com “o reacender da guerra comercial EUA-China a gerar instabilidade nos mercados”, de acordo com o Mtrader do Millennium BCP Ramiro Loureiro.

Pequim definiu novas tarifas sobre bens importados dos Estados Unidos, no valor de 75 mil milhões de dólares, na sexta-feira, 23 de agosto, surpreendendo os mercados. Em resposta, no mesmo dia, o presidente norte-americano anunciou que poderia aumentar em 5% o imposto a aplicar às tarifas adicionais a serem impostas sobre os bens importados da China a partir de setembro e outubro.

A administração Trump anunciou um novo aumento das taxas alfandegárias sobre produtos chineses avaliados em 250 mil milhões de dólares, a partir de 1 de outubro (de 25% para 30%) e uma novas tarifas sobre o equivalente a 300 mil milhões de dólares de bens chineses, de 10% para 15%.

“As congéneres asiáticas também responderam em queda, com o Hang Seng a tombar quase 3% e o Nikikei mais de 2%”, salientou Loureiro na sua análise aos mercados.

Esta nova escalada de tensão na guerra comercial está a deixar os investidores receosos. A bolsa portuguesa não foge à regra, com treze empresas cotadas em queda, três inalteradas e apenas duas a negociar em alta.

Os títulos do BCP (0,69%), da Mota-Engil (1,98%), Pharol (-1,23%), das retalhistas Sonae (-1,04%) e Jerónimo Martins (-0,35%) e das papeleiras Altri (-1,08%), Navigator (-1%) e Semapa (-0,50) pressionam o PSI 250.

“Nas matérias-primas o preço do petróleo está em queda”, frisou ainda o Mtrader do Millennium BCP.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.

Sexta sessão em queda. Bolsa de Lisboa penalizada por perdas do BCP e Galp

Num quadro pintado de encarnado, a EDP Renováveis e a Sonae sobressaíram pela positiva, ao subirem ambas cerca 0,20%. Nas restantes praças europeias, igualmente pessimistas, destacam-se as transações de M&A da banca espanhola – desta feita, entre o Unicaja e o Liberbank.

Depois das fortes quedas de quarta-feira, Wall Street abre em baixa

As inscrições no desemprego nos Estados Unidos aumentaram na última semana, sugerindo uma recuperação mais lenta do mercado laboral devido às medidas restritivas para limitar a propagação de covid-19, indicam os números divulgados hoje.
Comentários