Guiné-Bissau quer colocar o país na rota do turismo internacional

Com a abertura de um voo da TAP para a Guiné-Bissau, o país pretende aumentar o número de turistas para o território. O investimento está já a ser realizado com a oferta de cerca de mil camas até 2017.

Juliano Nunes, diretor geral do Turismo da Guiné- Bissau, revela que a Guiné- Bissau é um território ainda virgem e por descobrir em matéria de turismo.

Presente no 42.º Congresso Nacional da APAVT (Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo) que está a decorrer em Aveiro, o responsável está confiante num aumento de turistas com a abertura de um voo da companhia aérea portuguesa TAP.

“A oferta está a crescer não só pelo número de turistas, num destino liderado pelos franceses e com um aumento de espanhóis, como também nos investimentos em termos de equipamentos turísticos”, salienta. Adianta ainda que é necessário alterar a imagem do país, visto que é sempre associado à insegurança, sobretudo política, mas “ apesar dessa imagem, é um país com criminalidade quase zero”.

Das 88 ilhas do arquipélago dos Bijagós, só 12 é que são habitadas mas as belezas naturais e paisagísticas são muitas. Juliano Nunes, explica que o país tem 15% de reserva natural, tem o maior ponto de observação de aves migratórias do mundo, o segundo ponto mundial de tartarugas , um dos maiores mangues da região e muitas outras atrações naturais.

Rubane e Bubaque nos Bijagós são as ilhas mais visitadas mas o responsável pretende que muitas outras sejam descobertas.

Em 2015 chegarem cerca de 30 mil turistas de avião a Guiné-Bissau e cerca de 10 mil foram portugueses que viajaram pela euroAtlantic para aquele país.

O aumento da oferta hoteleira também é uma aposta nesta estratégia. Juliano Nunes avança que em 2017 serão cerca de mil as camas disponíveis no país, contra as 200 que existiam. Uma oferta de gama média/alta e onde a próxima unidade a abrir será de uma cadeia espanhola.

O diretor geral do Turismo da Guiné- Bissau adiantou também que já tinham sido realizadas conversações com os grupos portugueses, Oásis e Pestana mas as negociações acabaram por não avançar.

Para incentivar o investimento estrangeiro Guiné-Bissau apresenta ainda estímulos e incentivos, sendo um deles a isenção de impostos durante 10 anos às empresas que queiram investir no país.

Ler mais
Recomendadas

“As pessoas têm medo, até de um simples aperto de mão”. Portuguesa em Itália conta como se lida com o coronavírus

“Na zona de Milão, os supermercados estão completamente vazios e não se encontra máscaras de proteção facial em lado nenhum”, relata ao JE uma jornalista portuguesa que reside na zona da Toscana, perto de Bolonha, região onde, para já, tudo está tranquilo no que diz respeito a casos de coronavírus.

Covid-19: Irão “nega categoricamente” notícias sobre 50 mortes

“Nego categoricamente essa informação” disse à imprensa o vice-ministro da Saúde, Iraj Harirtchi, sobre a informação avançada pelo deputado Ahmad Amirabadi Farahani, que acusou o governo de Teerão de “mentir ao povo”.

Trump vai vender 2,7 mil milhões de euros em helicópteros militares à Índia

A visita do líder norte-americano acontece depois de um ano de atritos comerciais entre os dois países, com a imposição de taxas mútuas e a decisão dos Estados Unidos de retirar a Índia, a partir de junho passado, do Sistema de Preferências Generalizadas, que proporciona reduções tarifárias em vários produtos.
Comentários