Guterres alerta para crescente ameaça das mudanças climáticas na paz e segurança mundiais

O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou esta quarta-feira, nas ilhas Fiji, sobre o crescente perigo para a paz e a segurança mundiais representado pelas mudanças climáticas, que afetam significativamente o arquipélago do Pacífico.

“Os estrategas militares veem claramente a possibilidade dos impactos das mudanças climáticas aumentarem as tensões em torno dos recursos e originarem movimentos maciços de pessoas em todo o mundo”, declarou Guterres, na cimeira do Fórum das Ilhas do Pacífico.

O responsável lembrou que as temperaturas e os desastres naturais estão a tornar-se cada vez mais extremos, e sublinhou que a mudança climática vai afetar seriamente a segurança alimentar devido à salinização da água e à perda de áreas de cultivo, bem como os sistemas de saúde públicos nos países mais vulneráveis.

Em 2016, mais de 24 milhões de pessoas de 118 países e territórios foram forçadas a abandonar as suas residências devido a desastres naturais, três vezes mais do que o número daquelas deslocadas pelos conflitos no planeta, de acordo com dados da ONU.

Guterres também destacou a experiência histórica das ilhas do Pacífico na adaptação perante vários fenómenos climáticos e pediu uma maior cooperação da comunidade internacional com esta zona do mundo para lidar com os efeitos das alterações climáticas.

“A região do Pacífico está na vanguarda das mudanças climáticas (…) e é por isso que vocês são aliados importantes na luta” contra esse fenómeno, afirmou Guterres, citado num comunicado.

O secretário-geral da ONU está na Oceânia sobretudo para abordar os crescentes problemas causados pelas mudanças climáticas e pela ameaça que representa para os mares e oceanos do planeta que, com o aumento dos níveis da água devido ao aquecimento global, está a causar a perda de terras das ilhas do Pacífico.

Ler mais
Recomendadas

Emissões do gás CFC-11 aumentaram e estão a afetar camada de ozono. Cientistas culpam China

Uma equipa internacional de cientistas anunciou que as misteriosas emissões de CFC-11 – um gás que danifica a camada de ozono – aumentaram cerca de 7 mil toneladas por ano desde 2012. Cientistas remetem a origem destas emissões para duas províncias na China.

Ministro do Ambiente considera que luta dos estudantes é “a mais justa”

João Pedro Matos Fernandes assegurou que ouve as mensagens dos manifestantes, mesmo quando estes querem ir mais depressa do que o Governo está disposto a ir. Há novo protesto pelo clima na próxima sexta-feira.

Portugal está “a viver de água que não tem”

A Associação Natureza Portugal, que representa a WWF, no país, alerta para má gestão e desperdício no consumo de água em Portugal, e faz recomendações a políticos, empresas e cidadãos, para inverter a situação
Comentários