Há 37,5 mil milhões de euros de crédito em moratória em junho (com áudio)

Os dados publicados pelo Banco de Portugal indicam que, no final de junho de 2021, o montante global de empréstimos abrangidos por moratórias era de 37,5 mil milhões de euros, menos mil milhões do que em maio.

mario_centeno_carlos_costa
José Sena Goulão/Lusa

O crédito em moratória de particulares e empresas volta a decrescer em junho, diz o Banco de Portugal que divulga hoje no BPstat a informação estatística sobre os empréstimos abrangidos por moratórias (pública e privadas) relativa a junho de 2021.

Os dados publicados indicam que, no final de junho de 2021, o montante global de empréstimos abrangidos por moratórias era de 37,5 mil milhões de euros, menos mil milhões do que em maio.

Esta variação resulta do decréscimo tanto dos empréstimos concedidos a particulares como a sociedades não financeiras, que diminuíram 0,3 e 0,6 mil milhões de euros, respetivamente.

No final de Junho, os empréstimos de particulares abrangidos por moratórias eram de 14,4 mil milhões de euros ao passo que o crédito a empresas em moratória diminuiu em todos os sectores de actividade e, no final de junho, totalizavam 22.300 milhões de euros.

O BdP diz que em Junho existiam 23.800 empresas de sectores mais afectados pela pandemia de covid-19 abrangidas por moratórias e que “o montante de empréstimos com pagamento suspenso diminuiu 0,1 mil milhões face a maio, para 8,4 mil milhões de euros”.

No mês de junho, terminaram as moratórias privadas dos empréstimos concedidos a particulares para outras finalidades que não habitação. As moratórias de crédito acabam no fim de setembro.

O Governo anunciou medidas com vista a salvaguardar a estabilidade das famílias e empresas, após as moratórias.

Recomendadas

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Impacto do fim das moratórias na banca será menor que esperado, diz CEO da CGD

“O final das moratórias afetará muitas empresas e muitos particulares – por exemplo no caso da CGD houve mais de 2.000 pessoas que nos pediram para restruturar os seus créditos e, portanto, restruturámo-los -, mas em termos macroeconómicos diria não se espera que o fim das moratórias cause um problema nos bancos, como estava dito, ou cause um problema enorme”, disse Paulo Macedo.

Moody’s melhora rating de seis bancos portugueses

A Moody’s realizou hoje ações de rating em seis grupos bancários portugueses – CGD, BCP, Santander, Novo Banco, BPI e Crédito Agrícola. A agência elevou as classificações de depósito de longo prazo de quatro bancos e a classificação de dívida sénior sem garantia (unsecured) de um banco. Também mudou a perspectiva dos ratings de depósito de longo prazo de três bancos e dos ratings de dívida sénior não garantida de um banco.
Comentários