Há “Mais Ajuda” para startups de inovação social e IPSS

O Lidl, em conjunto com o Grupo Renascença Multimédia e a Beta-i, criou um programa de apoio a empreendedores sociais e instituições de solidariedade. Os seis projetos escolhidos recebem 22.500 euros cada e mentoria.

Os portugueses que, durante o Natal, compraram artigos Deluxe nos supermercados Lidl contribuíram para apoiar com 150 mil euros Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e startups que, além de um modelo de negócio inovador, têm uma missão social. Agora, cabe aos empreendedores interessados em receber ajuda candidatarem-se até ao próximo dia 29 de fevereiro.

No âmbito do programa “Mais Ajuda” – desenvolvido pela retalhista, pelo Grupo Renascença Multimédia e pela plataforma Beta-i – foram recolhidos 135 mil euros em 255 estabelecimentos comerciais do país, destinados à criação de projetos de auxílio à comunidade (especialmente crianças). Mais tarde, o Lidl recheará os cofres do programa com mais 15 mil euros para organizar um business hackathon (evento de trabalho de 24h a 48h).

Os vencedores serão conhecidos em abril. As seis melhores startups/IPSS receberão mentoria/consultoria e 22.500 euros cada uma. “Este projeto é diferenciador na medida em que junta dois mundos que não estão assim tão distantes quanto isso – IPSS e startups – sendo a convergência um caminho que está a acontecer todos os dias”, explica Filipe Almeida, presidente da Portugal Inovação Social.

Filipe Almeida será um dos jurados do “Mais Ajuda”. O júri será ainda composto por Isabel Figueiredo (adjunta do presidente do Grupo Renascença – que compreende as rádios Renascença, RFM e Mega Hits), Luís de Melo Jerónimo (diretor do Social Cohesion Programme da Fundação Calouste Gulbenkian), Pedro Rocha Vieira, CEO e cofundador da Beta-i) e Vanessa Romeu (diretora de Comunicação Corporativa do Lidl Portugal).

“Vamos apoiar projetos inovadores que acrescentem valor à comunidade, apoiando quem mais precisa. Identificámos uma oportunidade de aproximar dois universos que muito podem contribuir para uma sociedade mais inclusiva e equilibrada e estamos confiantes que a metodologia adotada vai trazer mais-valias para todas as partes envolvidas”, sublinha Vanessa Romeu, do Lidl.

Quais são os critérios de elegibilidade (cumulativos) para IPSS e instituições equiparadas?

  • IPSS legalmente constituídas, devidamente registadas e a operar em Portugal continental;
  • IPSS que cumpram as condições necessárias ao exercício da respetiva atividade e estejam devidamente regularizadas junto dos organismos responsáveis.
  • IPSS com projetos inovadores cujos beneficiários sejam crianças

E para as startups ou empresas de empreendedorismo social?

  • Startups ou Empresas de Empreendedorismo Social legalmente constituídas, devidamente registadas e a operar em Portugal continental;
  • Startups ou Empresas de Empreendedorismo Social que cumpram as condições necessárias ao exercício da respetiva atividade e estejam devidamente regularizadas junto da Administração Fiscal e da Segurança Social;
  • Startups ou Empresas de Empreendedorismo Social com projetos que demonstrem um impacto social no desenvolver dos seus objetivos;
  • Startups ou Empresas de Empreendedorismo Social de qualquer indústria, com até 100 colaboradores e uma faturação ou apoio financeiro anual não superiores a 2.000.000 euros

Notícia atualizada às 11h40

Ler mais
Recomendadas

Coalition compra startup que foi fundada por portugueses e ajudou a encontrar erro da Microsoft

A nova proprietária da BinaryEdge já está a utilizar a tecnologia de ‘rastreio’ na Internet da para monitorizar de forma contínua as mais de 10 mil organizações que a escolheram a Coalition como companhia de seguros online.

Governo da Madeira vai conceder apoio a empresas inovadoras na economia verde e azul

A secretária regional da inclusão Social e Cidadania disse que uma das prioridades é a promoção de políticas de emprego pró-ativas que diminuem o risco de pobreza e conduzam à coesão social.

Empreendedores australianos são quem mais teme que alterações climáticas prejudiquem as suas empresas

Os incêndios florestais que devastam parte da Austrália já representam uma fatura próxima dos 630 milhões de euros para o setor segurador. Preocupação pelas alterações climáticas é 48% mais elevada que a média global.
Comentários