Premium“Há muito interesse em investir em empresas que usam ‘blockchain’”

O especialista norte-americano em financiamento de ‘startups’ que aplicam a tecnologia explicou que investidores tradicionais começam a olhar para o setor, especialmente após o abrandamento dos ICO.

As criptomoedas já não são a única forma de investimento relacionado com a tecnologia blockchain e as startups que a implementam captam o interesse dos investidores. Chris Jones, lidera um unidade da plataforma norte-americana Dragonchain dedicada a encontrar financiamento e prestar consultoria a empreendedores do setor, explicou que o abrandamento das Initial Coin Offerings (ICO) reforçou o apetite de investidores tradicionais.

A tecnologia blockchain já está madura o suficiente para ser usada de forma generalizada?

Ainda não. Estamos a caminhar nesse sentido, mas ainda não. Ainda estamos numa fase inicial de desenvolvimento da tecnologia. Toda a gente gosta de a comparar à internet e, fazendo essa comparação, estamos no início dos anos 1990, ou seja, antes do IPO da Netscape. Mas há o hype da bolha no final dos anos 1990 por causa do preço das criptomoedas. Apesar de a tecnologia ainda estar em desenvolvimento, o hype gerado pelos preços possivelmente criou expetativas exageradas para a tecnologia, neste momento. Dito isto, há muita gente a trabalhar na criação de caminhos entre as diferentes estações para chegar a um lugar onde possa haver uma adoção mais lógica de consumidores e negócios.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumLisboa vai ter o primeiro hotel Hyatt, num investimento de 70 milhões

Entre Alcântara e Belém, junto ao rio Tejo e ao Centro de Congresso de Lisboa, vai nascer o primeiro hotel da cadeia internacional Hyatt em Portugal. Terá 200 unidades de alojamento e deverá abrir em 2020.

PremiumPortugal entre os sete países imunes à vaga de deputados populistas

Partidos de Marine Le Pen e de Matteo Salvini lideram vaga que vai alterar paisagem política em Estrasburgo. Mas sem contribuição portuguesa.

PremiumPintar a dívida de “verde” para ajudar a salvar o planeta

O apetite dos investidores por ‘green bonds’ não para de crescer a nível global, embora a regulação continue a ser um desafio. Em Portugal, novos emitentes poderão seguir os passos da EDP e da Altri.
Comentários