Há uma Beluga no céu. Avião de carga já voa e reforça capacidade da Airbus

O BelugaXL “tem 63 metros de comprimento e oito metros de largura de cabine, apresentando a maior secção transversal de compartimento de carga de todas as aeronaves de carga a nível mundial. Entre outras funcionalidades, vai servir para transportar componentes de aviões para os clientes da Airbus.

O avião de carga Airbus Beluga XL já entrou ao serviço, reforçando a capacidade de entrega de encomendas de aviões do construtor aeronáutico europeu aos seus clientes, anunciou hoje a empresa em comunicado.

“O Beluga XL entrou ao serviço, proporcionando à Airbus 30% de capacidade de transporte extra, de forma a responder aos programas em curso de produção de aeronaves comerciais. Este avião, que é parte integrante do sistema industrial da Airbus, fez o seu primeiro voo operacional no dia 9 de janeiro. Este aparelho é o primeiro de seis BelugaXL que irão trabalhar lado a lado com os já existentes BelugaST, e as novas aeronaves entrarão ao serviço entre 2020 e 2023”, revela o referido comunicado.

O mesmo documento acrescenta que o BelugaXL “tem 63 metros de comprimento e oito metros de largura de cabine, apresentando “a maior secção transversal de compartimento de carga de todas as aeronaves de carga a nível mundial”.

“O BelugaXL pode transportar em simultâneo duas asas de um A350 XWB, enquanto que o BelugaST só pode transportar uma. Com uma carga útil máxima de 51 toneladas, o BelugaXL tem uma autonomia de quatro mil quilómetros (2.200 milhas náuticas). Tal como acontece com o BelugaST, este avião irá voar para 11 destinos na Europa”, adianta a Airbus.

Lançado há cerca de cinco anos, em novembro de 2014, com a entrada ao serviço do BelugaXL atinge-se mais uma marca histórica no percurso deste modelo de avião de carga aérea, que recebeu a certificação da EASA – Agência Europeia de Segurança na Aviação em novembro de 2019, após uma intensiva campanha de voos de teste, que compreendeu mais de 200 testes de voo, num total de mais de 700 horas de voo.

Recomendadas

Bordado Madeira com quebras de entre 30 a 40% na comercialização

Em 2019, a comercialização chegou aos 545 mil euros mas, este ano, a Secretaria Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural, estima que se fique pelos 300 mil euros.

Moody’s mantém rating do CaixaBank e põe o do Bankia em revisão para ‘upgrade’

A agência de notação financeira norte-americana manteve a perspetiva estável do banco espanhol que detém o BPI.

BES: Depoimento de Carlos Costa no recurso da KPMG a coimas do BdP foi adiado

O Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão acabou por ouvir apenas o perito Pedro Pereira, técnico superior do BdP, num depoimento que prosseguirá na próxima quinta-feira.
Comentários