Habitação de luxo: as 10 ruas mais caras de Portugal

As ruas mais exclusivas do mercado português distribuem-se entre Lisboa, Cascais, Algarve e Porto. A Rua do Salitre é a zona com a habitação à venda mais cara em Portugal.

Localizada mesmo no centro de Lisboa, a Rua do Salitre é a morada com a habitação à venda mais cara em Portugal. Os proprietários desta zona exclusiva da capital pedem em média 2.923,195 euros a quem quiser adquirir um dos seus luxuosos imóveis, segundo um estudo do idealista, enviado ao Jornal Económico.

Os dez primeiros lugares desta lista distribuem-se entre Lisboa, Cascais, Quarteira, Porto, Oeiras, Estoril e Almancil.

A medalha de prata deste ranking de luxo vai para a Avenida Brasil em Cascais, com um preço médio de 2.487,647 euros, preço similar ao Loteamento Fonte Santa em Quarteira, Algarve, que ocupa o terceiro lugar (2.450,385 euros).

O Porto está representado pela Rua de Sobreiras, a quarta morada com os preços mais exclusivos para comprar uma casa (2.013,125 euros). Segue-se a Rua Fernão Mendes Pinto em Belém (Lisboa), com um valor de 1.945,319 euros, e a Rua a Gazeta d’Oeiras (Oerias), onde o preço médio da habitação de luxo ronda os 1.777,750 euros.

No Estoril encontra-se a sétima rua mais cara, a Rua Dom Afonso Henriques, que conta com casas a um preço médio de 1.732,270 euros. A lista das dez ruas mais caras completa-se com a Rua António Saldanha, em Lisboa (1.688,363 euros), a Avenida Marechal Gomes da Costa, no Porto (1.652 euros), e a Urbanização Vale do Lobo, no Algarve (1.572,090 euros).

Fonte: Idealista

Ler mais
Relacionadas

Imobiliário: Vender uma casa demora agora sete meses

As casas vendem-se hoje duas vezes mais depressa do que em 2014. As vendas estão a crescer ao ritmo de mais de 30% ao ano.

Brasileiros compram cada vez mais casas em Cascais

Venda de casas disparou em Oeiras e Cascais. Brasileiros pagam em média 1,3 milhões de euros por uma moradia nesta zona, bem acima da média portuguesa, que ronda os 460 mil euros.
Recomendadas

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.

Imobiliárias com novas obrigações de identificação e comunicação a partir de hoje 

As entidades que exercem atividades imobiliárias têm a partir desta quarta-feira novas obrigações de identificação, controlo e comunicação de operações de compra, arrendamento, venda ou permuta de imóveis.

Mercado imobiliário desacelera em Portugal. “Existe um enorme desequilíbrio entre a oferta e a procura”, alerta APEMIP

Primeiro trimestre de 2019 registou 43.826 transações, mais 8% face ao períoho homólogo do ano passado. Mas menos 6% face aos alojamentos transacionados no último trimestre de 2018 com menos 2.595 transações. APEMIP explica desaceleração com forte desequilíbrio entre a oferta e a procura.
Comentários