Habitação de luxo: as 10 ruas mais caras de Portugal

As ruas mais exclusivas do mercado português distribuem-se entre Lisboa, Cascais, Algarve e Porto. A Rua do Salitre é a zona com a habitação à venda mais cara em Portugal.

Localizada mesmo no centro de Lisboa, a Rua do Salitre é a morada com a habitação à venda mais cara em Portugal. Os proprietários desta zona exclusiva da capital pedem em média 2.923,195 euros a quem quiser adquirir um dos seus luxuosos imóveis, segundo um estudo do idealista, enviado ao Jornal Económico.

Os dez primeiros lugares desta lista distribuem-se entre Lisboa, Cascais, Quarteira, Porto, Oeiras, Estoril e Almancil.

A medalha de prata deste ranking de luxo vai para a Avenida Brasil em Cascais, com um preço médio de 2.487,647 euros, preço similar ao Loteamento Fonte Santa em Quarteira, Algarve, que ocupa o terceiro lugar (2.450,385 euros).

O Porto está representado pela Rua de Sobreiras, a quarta morada com os preços mais exclusivos para comprar uma casa (2.013,125 euros). Segue-se a Rua Fernão Mendes Pinto em Belém (Lisboa), com um valor de 1.945,319 euros, e a Rua a Gazeta d’Oeiras (Oerias), onde o preço médio da habitação de luxo ronda os 1.777,750 euros.

No Estoril encontra-se a sétima rua mais cara, a Rua Dom Afonso Henriques, que conta com casas a um preço médio de 1.732,270 euros. A lista das dez ruas mais caras completa-se com a Rua António Saldanha, em Lisboa (1.688,363 euros), a Avenida Marechal Gomes da Costa, no Porto (1.652 euros), e a Urbanização Vale do Lobo, no Algarve (1.572,090 euros).

Fonte: Idealista

Ler mais
Relacionadas

Imobiliário: Vender uma casa demora agora sete meses

As casas vendem-se hoje duas vezes mais depressa do que em 2014. As vendas estão a crescer ao ritmo de mais de 30% ao ano.

Brasileiros compram cada vez mais casas em Cascais

Venda de casas disparou em Oeiras e Cascais. Brasileiros pagam em média 1,3 milhões de euros por uma moradia nesta zona, bem acima da média portuguesa, que ronda os 460 mil euros.
Recomendadas

CCB espera escolher e fazer contrato ainda este ano para hotel e zona comercial

Em causa está a análise da única proposta candidata ao projeto, apresentada pela construtora Mota-Engil, e a comissão criada para o efeito terá ainda de avaliar se são cumpridos todos os requisitos do caderno de encargos.

Premium“A classe média ainda não pode viver em Lisboa”

CEO e fundador da Essentia explica que, apesar de existir uma estabilização dos preços no mercado da reabilitação urbana, os portugueses que chegam ao centro histórico da cidade pertencem à “classe média alta e alta”.

Operadores do alojamento local em Lisboa ponderam “migrar” para arrendamento habitacional

No seu entender, a transição destes estabelecimentos para o arrendamento permanente “é uma oportunidade enorme” para fazer aumentar a oferta de habitação.
Comentários