Habitantes do Tejo e Sado em risco de ficar debaixo de água

As consequências mais relevantes para a vida das populações no Tejo e no Sado serão as alterações nas zonas ribeirinhas e os problemas de saúde que se vão verificar por causa das ondas de calor cada vez mais frequentes e extremas.

Rafael Marchante/Reuters

As alterações climáticas têm estado no foco de Lisboa durante esta semana, com a chegada e partida de Greta Thunberg da capital portuguesa. Agora, sabe-se que os impactos decorrentes destas alterações na Área Metropolitana de Lisboa vão sentir-se nas zonas costeiras e estuários do Tejo e Sado, avança o jornal ‘Público’ esta sexta-feira, 6 de dezembro.

É nas zonas mais próximas do mar que as populações vão ter de aprender a conviver com cheias frequentes. Um dos exemplos mais divulgado tem sido a subida do nível das águas do mar na zona de construção do novo aeroporto do Montijo, daqui a alguns anos.

As consequências mais relevantes para a vida das populações no Tejo e no Sado serão as alterações nas zonas ribeirinhas e os problemas de saúde que se vão verificar por causa das ondas de calor cada vez mais frequentes e extremas. Mas também a erosão costeira e o recuo da linha de costa na zona de Almada são apontadas como consequência direta da subida do nível da água do mar.

Esta sexta-feira, Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, vai apresentar o Plano Metropolitano de Adaptação às Alterações Climáticas onde os 18 municípios da AML vão subscrever o compromisso político ambiental, além da apresentação contar ainda com a presença de investigadores e académicos focados na área ambiental.

Recomendadas

Governo investiu 388 milhões de euros ao abrigo do Fundo Ambiental em 2019

O Fundo Ambiental foi criado em 2016, entrando em vigor em 2017, para apoiar políticas de desenvolvimento sustentável, contribuindo para o cumprimento de compromissos nacionais e internacionais, relativos às alterações climáticas, aos recursos hídricos, aos resíduos, à conservação da natureza e à biodiversidade.

Presidência da Eurorregião Alentejo-Algarve transita para a Andaluzia

O presidente Junta da Andaluzia, Juan Moreno, lidera agora a eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia – a designada EuroAAA -, defendendo que esta estrutura deve ter maior ambição na Europa. Já anunciou que quer albergar a próxima Cimeira Ibérica Espanha-Portugal

Conferência que começou como acidente quer mudar as cidades

“Depois de anunciarmos, alugámos um espaço onde cabiam 200 pessoas mas nunca pensámos encher. No fim, acabámos com mais de mil pessoas de mais de 30 países”, afirma o fundador do projeto.
Comentários