Havia 10,6 mil milhões de euros sob gestão nos fundos de investimento imobiliário em dezembro

A Interfundos (12,5%), a Square AM (11,3%) e a Caixa Gestão de Ativos (9,2%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em dezembro.

Em dezembro de 2020, o valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário (FII), dos fundos especiais de investimento imobiliário (FEII) e dos fundos de gestão de património imobiliário (FUNGEPI) atingiu 10.583,6 milhões de euros, mais 159,0 milhões (1,52%) do que em novembro, segundo os dados da CMVM.

O montante investido nos fundos de investimento imobiliário subiu 0,7% para 7.752,5 milhões de euros. Já nos FEII, o valor aumentou 1,1% para 2.409,1 milhões de euros e nos FUNGEPI cresceu 24,0% para 422,0 milhões de euros.

“No período em análise, os países da União Europeia foram o destino da totalidade do investimento feito em ativos imobiliários, tendo 47,1% da carteira dos FII e FEII abertos sido aplicados em imóveis do setor dos serviços”, refere esta terça-feira a CMVM.

Os investimentos realizados pelos FUNGEPI destinaram-se sobretudo ao setor do comércio (46,2% do total).

A Interfundos (12,5%), a Square AM (11,3%) e a Caixa Gestão de Ativos (9,2%) detinham as quotas de mercado mais elevadas.

Também em dezembro foram constituídas as sociedades especiais de investimento imobiliário “Substância Numérica – SICAFI” e “Coincident Discovery, SICAFI”, geridas pela Lynx, e a “Almost Future, SICAFI” gerida pela Silvip.

No mês passado foi ainda liquidado o fundo de investimento imobiliário “Solid – Fundo de Investimento Imobiliário”, gerido pela GNB Real Estate. Bem como os fundos especiais de investimento imobiliário “R Invest – Fundo Especial de Investimento Imobiliário” gerido pela GNB Real Estate, “Imoreserve – Fundo Especial de Investimento Imobiliário” gerido pela First Fund Box, e os “Oceânico – Fundo Especial de Investimento Imobiliário” e “Gestão Imobiliária – Fundo Especial de Investimento Imobiliário”, geridos pela Interfundos.

Ler mais

Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários