‘Helicopter money’

Num contexto em que as ferramentas tradicionais dos bancos centrais e dos governos são limitadas ou ineficientes, a solução passaria por criar dinheiro do nada.

A BlackRock publicou um relatório em que propõe uma estratégia para combater a próxima desaceleração económica. Num contexto em que as ferramentas tradicionais dos bancos centrais e dos governos são limitadas ou ineficientes, a solução passaria por criar (ainda mais) dinheiro do nada.

O relatório defende que serão necessárias políticas sem precedentes para responder à próxima recessão. Os autores do relatório são alguns “notáveis”, como Stanley Fisher e Philipp Hildebrand, que estiveram ligados a bancos centrais ao mais alto nível. É um daqueles casos em que “o mensageiro importa”.

Propõe-se assumir a coordenação formal entre a política fiscal e política monetária, ou seja, entre os bancos centrais e os governos. Prevê-se, numa primeira fase, a criação de uma “facilidade fiscal financiada monetariamente”, na qual os bancos centrais emitem moeda para que seja gasta pelos governos, usando os canais tradicionais. Ou seja, seria apenas formalizar o que já vai acontecendo atualmente.

Mas se isso não for suficiente, os bancos centrais deverão fazer o que os autores chamam de “going direct”, que significa colocar dinheiro nas mãos dos governos e dos privados para que o gastem. É uma versão do “helicopter money” de Friedman e Bernanke e que na prática constituiria a monetização das dívidas soberanas e o bypass total à necessidade de geração de poupança, pública ou privada.

Segundo os autores, a ideia diverge da “Modern Monetary Theory” porque tem associada uma estratégia de saída, ou pelo menos é assim que concebem o plano. Os mecanismos teriam caráter de emergência e seriam abandonados quando a situação melhorasse – um pressuposto muito otimista, no mínimo.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha em queda apesar da subida das papeleiras

A pressionar o mercado estiveram, entre outras, as ações do BCP, da NOS e da Jerónimo Martins. Na Europa o verde dominou os mercados ajudados pelos novos inputs sobre a guerra comercial, que sinalizam uma aproximação entre os EUA e a China para fecharem o acordo de “fase um”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Bolsa de Nova Iorque abre em alta. Farfetch dispara 30% após divulgar resultados

A empresa de ‘e-commerce’, liderada pelo português José Neves, viu o seu prejuízo aumentar 10,6% face ao período homólogo, para 86,5 milhões de dólares, mas teve um disparo de 90% nas receitas (255,5 milhões de dólares).
Comentários