‘Helicopter money’

Num contexto em que as ferramentas tradicionais dos bancos centrais e dos governos são limitadas ou ineficientes, a solução passaria por criar dinheiro do nada.

A BlackRock publicou um relatório em que propõe uma estratégia para combater a próxima desaceleração económica. Num contexto em que as ferramentas tradicionais dos bancos centrais e dos governos são limitadas ou ineficientes, a solução passaria por criar (ainda mais) dinheiro do nada.

O relatório defende que serão necessárias políticas sem precedentes para responder à próxima recessão. Os autores do relatório são alguns “notáveis”, como Stanley Fisher e Philipp Hildebrand, que estiveram ligados a bancos centrais ao mais alto nível. É um daqueles casos em que “o mensageiro importa”.

Propõe-se assumir a coordenação formal entre a política fiscal e política monetária, ou seja, entre os bancos centrais e os governos. Prevê-se, numa primeira fase, a criação de uma “facilidade fiscal financiada monetariamente”, na qual os bancos centrais emitem moeda para que seja gasta pelos governos, usando os canais tradicionais. Ou seja, seria apenas formalizar o que já vai acontecendo atualmente.

Mas se isso não for suficiente, os bancos centrais deverão fazer o que os autores chamam de “going direct”, que significa colocar dinheiro nas mãos dos governos e dos privados para que o gastem. É uma versão do “helicopter money” de Friedman e Bernanke e que na prática constituiria a monetização das dívidas soberanas e o bypass total à necessidade de geração de poupança, pública ou privada.

Segundo os autores, a ideia diverge da “Modern Monetary Theory” porque tem associada uma estratégia de saída, ou pelo menos é assim que concebem o plano. Os mecanismos teriam caráter de emergência e seriam abandonados quando a situação melhorasse – um pressuposto muito otimista, no mínimo.

Recomendadas

Ataques na Arábia Saudita fazem Dow Jones quebrar oito dias de ganhos

Os títulos das transportadoras aéreas JetBlue Airways (-3,05%, para 16,86 dólares), da United Airlines (-2,84%, para 88,76 dólares) e da American Airlines (-7,28%, para 27,27 dólares) reagiram em baixa à notícias dos ataques à petrolífera saudita.

Galp à boleia da escalada do petróleo põe PSI 20 em alta em contra-ciclo

A bolsa portuguesa encerrou o dia em alta em linha com a Europa. O petróleo foi a estrela da sessão. A justificar esteve o ataque a duas instalações petrolíferas na Arábia Saudita por drones, o que fez reduzir a capacidade de produção para menos de metade.

Respostas Rápidas: combustíveis em Portugal vão aumentar com a subida dos preços do petróleo?

Não haverá nenhuma crise de abastecimento, não vai faltar petróleo no mercado, mas é óbvio que isto causa nervosismo nos mercados financeiros e era natural que houvesse uma subida de preços hoje”, disse o hoje o secretário-geral da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas.
Comentários