PremiumHerdade da Comporta: a essência está na terra e nas gentes

O consórcio Vanguard Properties e Amorim Luxury prepara-se para comprar os ativos da Herdade da Comporta por 158 milhões de euros. O impacto do imobiliário e do turismo pode quebrar uma harmonia que persiste há décadas.

Ainda o sol não se levantou e já os agricultores estão nas avenidas de arrozais a lavrar a terra que arrendam à Herdade da Comporta. Muitos rendeiros começaram ainda em tenra idade a trabalhar nos campos para ajudarem no sustento das famílias, que ainda hoje habitam as sete aldeias que compõem a Herdade, que passou para a família Espírito Santo em 1955.

O então presidente do Banco Espírito Santo, Manuel Espírito Santo Silva, após profunda reflexão com o seu irmão, José, resolveu comprar a Herdade da Comporta à britânica Atlantic Company para continuar a desenvolver a indústria agrícola. “A família encabeçou um grupo de acionistas”, revelou fonte familiarizada com a história. “Desde então, a Herdade arrenda os terrenos aos agricultores locais que exploram a terra por conta própria”, revelou .

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Rendibilidade das empresas sobe no segundo trimestre, mas continua aquém dos níveis pré-pandemia

Por sector de atividade, a rendibilidade do ativo (rácio entre os resultados antes de amortizações, depreciações, juros e impostos das empresas -EBITDA- e o total de ativo) das empresas privadas aumentou nas indústrias (de 8,6% para 10,7%), comércio (de 6,6% para 7,4%), transportes e armazenagem (de 6,8% para 8,0%), outros serviços (de 4,8% para 5,4%) e sedes sociais (de 4,7% para 4,8%).

Regulador aprova venda do controle dos ativos de fibra ótica da Oi no Brasil

A operadora de telecomunicações brasileira Oi já tinha anunciado o acordo de venda de parte dos ativos de fibra ótica da InfraCo à Globenet e BTG.

Pfizer e Moderna vão continuar a dominar mercado das vacinas anti-Covid em 2022

Segundo os cálculos da Airfinity, as duas fabricantes de vacinas mRNA irão dominar três quartos do mercado vacinal em 2022, alargando a margem entre as rivais AstraZeneca, Johnson & Johnson, a vacina russa Sputnik V.
Comentários