PremiumHerdade da Comporta: a essência está na terra e nas gentes

O consórcio Vanguard Properties e Amorim Luxury prepara-se para comprar os ativos da Herdade da Comporta por 158 milhões de euros. O impacto do imobiliário e do turismo pode quebrar uma harmonia que persiste há décadas.

Ainda o sol não se levantou e já os agricultores estão nas avenidas de arrozais a lavrar a terra que arrendam à Herdade da Comporta. Muitos rendeiros começaram ainda em tenra idade a trabalhar nos campos para ajudarem no sustento das famílias, que ainda hoje habitam as sete aldeias que compõem a Herdade, que passou para a família Espírito Santo em 1955.

O então presidente do Banco Espírito Santo, Manuel Espírito Santo Silva, após profunda reflexão com o seu irmão, José, resolveu comprar a Herdade da Comporta à britânica Atlantic Company para continuar a desenvolver a indústria agrícola. “A família encabeçou um grupo de acionistas”, revelou fonte familiarizada com a história. “Desde então, a Herdade arrenda os terrenos aos agricultores locais que exploram a terra por conta própria”, revelou .

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários