“Hoje quem vem para a política já está semi-desprestigiado e sob suspeita”, afirma Rui Rio

O presidente do PSD, Rui Rio, considera que é crucial voltar a prestigiar a atividade política para que se possa ter um “poder político democrático e forte”. Rui Rio lamenta ainda os “erros” cometidos pelo Parlamento em matéria de transparência e credibilidade.

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, afirmou esta quarta-feira que é crucial voltar a prestigiar a atividade política para que se possa ter um “poder político democrático e forte”. Rui Rio diz que quem entra hoje para na vida política já está “semi-desprestigiado e sob suspeita” e lamenta os “erros” cometidos pelo Parlamento em matéria de transparência e credibilidade.

“Hoje quem vem para a política já está semi desprestigiado e sob suspeita. Ou voltamos a prestigiar [a política] ou nunca mais conseguimos aquilo que é ter um poder político forte”, afirmou Rui Rio, para quem o prestígio da política é “mais importante do que a governabilidade, num almoço-debate do The American Club of Lisbon, no hotel Sheraton, em Lisboa.

O líder dos sociais-democratas considerou que para se ter “um poder político democrático e forte, o primeiro passo é ter um poder político credível” e sublinhou que quem não tem credibilidade não cumpre os requisitos para exercer essa atividade. Rui Rio criticou ainda o Parlamento por ter falhado em tomar decisões que dêem credibilidade e transparência aos políticos.

“O Parlamento tem cometido muitos erros. De cada vez que o Parlamento pega num qualquer pacote de transparência, a tendência é para criar ainda mais dificuldades para o futuro. A tendência é muitas vezes a de quer legislar sobre aquilo que não é legislável e levar com os problemas e o desprestígio em cima. Essa é a tendência para agradar no dia seguinte, mas não é o caminho que garante o prestígio da política”, afirmou Rui Rio.

Num diagnóstico aos problemas do país, Rui Rio identificou os estrangulamentos estruturais de ordem política com a “questão nuclear” que deve ser resolvida, seguindo-se os estrangulamentos económicos e sociais. Rui Rio defendeu ainda que nenhum Governo sozinho será capaz de dar resposta a esses constrangimentos estruturais, insistindo uma vez mais na necessidade de se encontrarem consensos políticos entre os partidos.

“É o problema político que está a determinar, em primeira linha, os outros constrangimentos. Por exemplo, o endividamento externo, assim como endividamento público, é filho de opções políticas que não foram determinadas pelo interesse do país, mas por fraqueza do regime ou pelo estado de necessidade face a uma eleição de amanhã”, indicou o líder do PSD.

Relacionadas

Rui Rio defende redução da carga fiscal “direcionada para o investimento”

O presidente do PSD, Rui Rio, acredita que é preciso uma legislação fiscal menos complexa e pensar mais nas empresas e sublinha que o consumo privado “não é motor de crescimento”.

Quem é responsável pelas ‘fake news’? Metade dos norte-americanos põe as culpas nos políticos

Relatório diz que a maioria dos norte-americanos acredita que os jornalistas têm a responsabilidade de corrigir a desinformação que circula no sistema mediático, mas atribuem aos políticos e aos ativistas a maior fatia de culpas, na questão das ‘fake news’.
Recomendadas
medina_candidatura_1

Sondagem. Medina com nove pontos de vantagem sobre Moedas

Sondagem feita para a “RTP/Público”, aponta que Medina poderá reeleger entre sete a oito vereadores, a um lugar da maioria absoluta. Já Carlos Moedas poderá eleger entre cinco a seis vereadores.

Conselho de Ministros prepara-se para devolver ‘antigo normal’ aos portugueses esta quinta-feira (com áudio)

A próxima e última fase de desconfinamento prevê que restaurantes, cafés e pastelarias deixem de ter limite máximo de pessoas por grupo, quer no interior quer em esplanadas; estabelecimentos e equipamentos deixam também de ter limites de lotação, tal como os espetáculos culturais e eventos como casamentos e batizados. Mas regras só deverão entrar em vigor a 1 de outubro.

“Reabertura das discotecas pode contribuir para fim dos ajuntamentos”, diz presidente da junta do Bairro Alto e Cais do Sodré (com áudio)

“Desde o último desconfinamento que aumentaram bastante os ajuntamentos na freguesia, nomeadamente, na zona do Bairro Alto e na Zona do Cais Sodré. Estes ajuntamentos são muito superiores aos que se verificaram antes do Covid”, conta a autarca Carla Madeira.
Comentários