Holding de empresário espanhol compra 27% da Caixa Económica de Cabo Verde

A aquisição foi aprovada pelo Banco de Cabo Verde. Em entrevista ao Económico Cabo Verde, o presidente da comissão executiva da Caixa Económica, Emanuel Moreira, acredita que dentro de dois meses as negociações entre  o comprador, a IHCV, a Geo Capital e os outros acionistas poderão ser finalizadas.

A IHCV, uma holding detida pelo empresário espanhol Enrique Bañuelos de Castro, comprou os 27,44% da Caixa Económica de Cabo Verde, que, até agora, estava na posse da GeoCapital. A aquisição foi aprovada pelo Banco de Cabo Verde (BCV) que comunicou a venda numa nota.

Em comunicado, o BCV adianta que aprovou a compra de participação qualificada correspondente a 27,44% das ações da Caixa Económica de Cabo Verde depois de serem sido “esgotadas todas as diligências cabíveis” e de ter sido apreciado pedido formulado por Enrique Bañuelos de Castro, em representação da IHCV.

Uma operação que ainda não está finalizada. Em entrevista ao Económico Cabo Verde, o presidente da comissão executiva da Caixa Económica, Emanuel Moreira, acredita que dentro de dois meses as negociações entre  o comprador, IHCV, a Geo Capital e os outros acionistas poderão ser finalizadas.

Emanuel Moreira espera que o novo acionista traga “novos impute que possam contribuir para um maior dinamismo e protagonismo das atividades da Caixa económica ”. Apesar de a holding não ter experiência na área da banca, Emanuel Moreira espera que o empresário Enrique Bañuelos de Castro traga a sua experiencia imobiliária para reforçar o que o banco tem feito até agora no mercado nacional nesta área.

A partir de agora, os títulos da Caixa Económica de Cabo Verde ficam distribuídos da seguinte maneira: Instituto Nacional de Previdência Social (32,60%); IHCV – Internacional Holding Cabo Verde, SGPS Sociedade Unipessoal Lda. (27,44%); Correios de Cabo Verde (15,14%); Ímpar – Seguradora (12,07%) e outros subscritores/trabalhadores (12,8%).

Segundo o BCV, a proposta da IHCV foi apresentada a 20 de julho do ano passado, quando esta manifestou a vontade de “adquirir acções representativas de até 30% do capital social da Caixa Económica de Cabo Verde”. A GeoCapital só veio manifestar a sua pretensão de alienar as acções que detinha na Caixa Económica de Cabo Verde a 12 de novembro de 2018.

Ler mais
Recomendadas

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.

BCE analisa auditoria do BCP sobre contratação de ex-assessor de Pinho, mas idoneidade de Paulo Macedo não está em avaliação

A idoneidade de Paulo Macedo enquanto presidente da CGD não está a ser avaliada. O que está a ser estudado é se o caso da contratação de João Conceição tem motivos para abrir um processo de Fit & Proper.
Comentários