‘Homebanking’ do Banco Carregosa adota autenticação com reconhecimento facial

O sistema biométrico, em que o cliente olha para o telefone para validar as operações ou confirmar o ‘login’, cumpre pelo menos dois dos três requisitos exigidos nos padrões internacionais de segurança. A app mobile foi desenvolvida por uma tecnológica portuguesa para os sistemas operativos IOS e Android.

O Banco Carregosa tornou-se a primeira instituição bancária em Portugal a adotar autenticação com reconhecimento facial. O novo sistema que será utilizado no serviço de homebanking foi lançado esta quinta-feira e permite aos clientes acederem a contas e ordenar transações com maior segurança, graças à autenticação biométrica.

O reconhecimento facial será realizado com recurso à camera fotográfica incorporada nos smartphones, para confirmar a identidade do utilizador. Disponível a partir desta semana, a adesão ou cancelamento do serviço pode ser feita pelo cliente a qualquer momento.

O sistema biométrico – em que o cliente olha para o telefone para validar as operações ou confirmar o login – cumpre, pelo menos, dois dos três requisitos exigidos nos padrões internacionais para que uma solução seja considerada segura: que o cliente utilize algo que tem (computador/smartphone), que use informação que só ele sabe (código de acesso) e que dependa de quem é (pessoa).

“Com a adoção desta tecnologia de reconhecimento facial, o Banco Carregosa disponibiliza ao cliente um nível ímpar de segurança com características únicas, porque se baseia em dados pessoais intransmissíveis”, afirmou Francisco Oliveira Fernandes, presidente da comissão executiva do Banco Carregosa, em comunicado.

Esta solução, que obteve a certificação específica da norma ISO/IEC 30107-3, utiliza tecnologia liveness detection aprovada com 100% em todos os testes de anti-spoofing (anti falsificação). Ao funcionar numa base de deep learning, a eficácia melhora à medida que é utilizada, permitindo distinguir se o utilizador está a ser coagido, se está nervoso, se utiliza algum disfarce ou apenas se envelheceu ou perdeu peso.

Este é um exemplo da crescente utilização da Inteligência Artificial aplicada ao setor financeiro. A aplicação mobile de reconhecimento facial foi desenvolvida por uma tecnológica portuguesa para os sistemas operativos IOS e Android.

O Banco Carregosa prevê, ainda, disponibilizar a opção de reconhecimento de voz brevemente. “Apesar de ser uma instituição secular, a casa Carregosa orgulha-se de acompanhar as tecnologias mais sofisticadas, incorporando-as na prestação de serviços financeiros”, acrescentou Oliveira Fernandes.

Ler mais
Relacionadas

Embarcar com reconhecimento facial ou abrir uma conta por videochamada. Como a tecnologia está a mudar a nossa vida

Hoje, no segundo dia da conferência, abordou-se a relação dos cidadãos com as empresas tecnológicas e “concluiu-se que existe uma disrupção muito grande, que existem grandes negócios transformadores”.

Tokens e biometria põem fim à dor de cabeça das passwords e dos códigos

Mastercard mostrou em Lisboa inovações na tecnologia dos pagamentos.
Recomendadas

FinTech provocaram a disrupção da cadeia de valor da banca

Parece consensual entre ‘experts’ que o futuro dos bancos passa por entrarem nas ‘apps’ do telemóvel e que as FinTech vão ser os seus parceiros da inovação tecnológica.

CGD baixa taxa mínima do spread para 1,23%. É o sexto banco a baixar custo do crédito à habitação

Em quatro meses, desde janeiro, seis bancos já reviram em baixa o spread mínimo cobrado aos clientes. O último a fazê-lo foi a CGD, depois do EuroBic, do BPI, do Crédito Agrícola, do Santander Totta e do Montepio.

Deutsche Bank envolvido em esquema de lavagem de dinheiro de 20 mil milhões de dólares sem saber

Ao que tudo indica, entre 2010 e 2014, criminosos russos com ligações ao Kremlin e com o FSB, o sucessor do antigo KGB, utilizaram a operação de lavagem de dinheiro, intitulada Global Laundromat, para colocar capital no sistema financeiro mundial.
Comentários