Hostels e pousadas vão servir de alojamento para estudantes universitários

Graças às orientações da DGS, foram removidas 3.000 camas nas residências estudantis. De acordo com o Público, o Governo está a ultimar um acordo com os hoteleiros em Lisboa, Porto, Coimbra e Braga para o próximo ano letivo.

A falta de camas disponíveis nas residências estudantis este ano, vai obrigar a que hostels e pousadas da juventude. De acordo com a notícia avançada pelo Público esta sexta-feira, o Ministério da Ciência e Ensino Superior está a ultimar um acordo com os hoteleiros em Lisboa, Porto, Coimbra e Braga para o próximo ano letivo.

O secretário de Estado da Ciência e Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira, fala “num bom casamento”, dizendo ao jornal que ao mesmo tempo que estes alojamentos garante um rendimento durante um ano, depois de terem registado uma quebra dos mesmos devido à Covid-19, os estudantes têm um alojamento assegurado durante o mesmo período.

O ministério fará um acordo global com a Associação dos Hostels de Portugal, que permite desde já identificar quais as unidades de alojamento local disponíveis para receber estudantes e garantir que todos cumprem as normas sanitárias – não sendo, por exemplo, possível a utilização de quartos com beliches. Os contratos têm depois que ser assinados diretamente com as instituições de ensino superior, o que deverá acontecer no próximo mês.

O concurso nacional de acesso ao ensino superior começa esta sexta-feira, prolongando-se até 23 de Agosto. Estão disponíveis 51.408 lugares, o valor mais elevado dos últimos sete anos.

Recomendadas

Mário Nogueira estranha nomeação de jurista para secretária de Estado da Educação

Inês Ramires substitui Susana Amador nesta mini-remodelação de secretários de Estado feita por António Costa. Com percurso na consultoria e assessoria em gabinetes ministeriais, foi anteriormente chefe de gabinete do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Governo “não adotou medidas suficientes” nas escolas, acusa CGTP

A maior central sindical do país, diz em comunicado que “não deixará de responsabilizar o Governo, na medida em que isso se justificar – pela forte possibilidade de ter de haver um recuo” no ensino presencial.

Notas dos exames secundário baixam na segunda fase. Economia A é exceção

Segundo os dados divulgados esta quarta-feira, pelo Ministério da Educação, em quatro disciplinas a média foi negativa, com destaque para Matemática B e Matemática Aplicada às Ciências Sociais, uma vez que em Português Língua Segunda e Latim, o número de alunos foi residual.
Comentários