Hovione investe 1 milhão em curso de analista químico

A farmacêutica está a trabalhar com o sistema de ensino para colmatar a escassez de recursos humanos do país nesta área. O primeiro curso arranca já em janeiro de 2018 e vai preparar 24 analistas químicos para carreiras na indústria farmacêutica.

Foto cedida

A meta é formar 12 analistas químicos por semestre, pelo menos, durante três anos. “Eles precisam de emprego e nós de gente capaz”, justifica Guy Villax, administrador-delegado da Hovione ao Jornal Económico.

A química, particularmente a área da química analítica tem tido, nos últimos anos, um crescimento significativo não apenas na Hovione, mas em toda a indústria farmacêutica. Este crescimento não foi, no entanto, acompanhado pelo lançamento no mercado de técnicos com a formação adequada em número suficiente para lhe dar resposta.

“A indústria enfrenta uma escassez de recursos humanos formados”, afirma o gestor, explicando que enquanto importante player do setor, a Hovione não pode limitar-se apenas a ir ao mercado procurar talento, tem de “fazer produção”.

Se temos um problema, temos que resolvê-lo. Este é, no fundo, o ponto de partida do Programa 9ºW, lançado, há cerca de um ano pela Hovione, a cujo terceiro eixo – Curso de Formação de Analistas Químicos – se está a dar cumprimento com a criação desta formação. O primeiro curso arranca a 15 de janeiro de 2018 e é enquadrado numa parceria, anunciada às portas deste verão, envolvendo a Hovione e quatro instituições de ensino de todos os graus: ensino superior, secundário regular e profissional. A saber: Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), Escola Secundária Fonseca de Benevides, Escola Profissional de Educação para o Desenvolvimento e Escola Profissional de Setúbal.

Esta iniciativa representa um investimento de um milhão de euros e vai formar 12 analistas químicos para carreiras na indústria farmacêutica, por semestre, pelo menos, durante três anos.

Com este projeto, a Hovione pretende trabalhar em conjunto com o sistema de ensino português para colmatar a escassez de recursos humanos nesta área, permitindo que estudantes provenientes de cursos de formação profissional ou do ensino secundário se tornem analistas químicos. “Não é só uma questão de criar emprego, vamos dar oportunidades de carreira”, explica Guy Villax.

Com efeito, no final do curso é expectável que haja grande procura de analistas com estas competências. Para se ter uma ideia, só a Hovione, no período entre abril de 2016 e março de 2017, empregou 56 profissionais entre analistas e químicos analistas, numa relação de 33/23. Em conjunto, estas duas profissões representam cerca de um quarto do número total de empregos criados pela Hovione naquele período: 200.

A empresa que está numa fase de crescimento particularmente acentuado continua a recrutar técnicos de química analítica, bem como outros perfis de forma a continuar a afirmar-se nos mercados mais competitivos do mundo. Além de Loures, a Hovione, criada em 1959, por Ivan Villax, investigador químico, e sua mulher Diane Villax, mais dois refugiados húngaros: Nicholas de Horthy e Andrew Onody e gerida atualmente pela família Villax e por uma equipa de profissionais de topo, tem unidades produtivas nos Estados Unidos, Irlanda, Macau e China e escritórios em Hong Kong, Japão, Suíça e Índia, empregando, no total, cerca de 1.750 pessoas, das quais 80 doutorados. Em Portugal é o maior recrutador privado de doutorados: 58. Só a atividade de investigação e desenvolvimento que é realizada no país dá trabalho a 246 técnicos e cientistas.

Empresa que investiga e desenvolve novos processos químicos e produz princípios ativos para a indústria farmacêutica mundial, a Hovione distinguiu-se sempre pela capacidade tecnológica e pela qualidade da produção. A aposta permanente na investigação garantiu-lhe um mercado especializado.

No âmbito do segundo eixo do Programa 9ºW – Laboratórios Analíticos Inteligentes – serão utilizados sistemas inteligentes, automação e robótica nos laboratórios analíticos, para obter uma melhor utilização dos recursos existentes e dar respostas mais eficazes aos requisitos da indústria e dos seus reguladores.

O primeiro eixo do programa – Produção Contínua de Produtos Farmacêuticos – pretende dar resposta aos desafios emergentes na indústria farmacêutica, relacionados com o novo paradigma de produção em contínuo.

Neste âmbito a empresa realizou há pouco mais de um ano uma parceria com uma empresa americana para a instalação de uma unidade de produção de medicamentos em contínuo na sua fábrica de New Jersey.

A possibilidade de integrar um mundo feito de investigação-ação é apontado pelos jovens como o principal aliciante para trabalhar na Hovione.

Ler mais
Recomendadas

#SchoolStrike4Climate. Estudantes saem à rua para exigir medidas de combate às alterações climáticas

Foram já milhares os estudantes que faltaram às aulas para se manifestarem pelo clima na Alemanha, Bélgica, Suíça, Austrália e Inglaterra. No próximo dia 15 de março esperam-se milhões a aderir ao movimento, inclusive os portugueses. Conheça as cidades onde a greve vai decorrer.

Portugal entre os países europeus com menos empregos na cultura

Cerca de 8,7 milhões de pessoas na União Europeia trabalham no setor cultural. Este grupo de trabalhadores representa 3,8% do total de pessoas empregadas. Portugal é o quarto pior deste ranking.

Católica abre portas à comunidade com ‘open day’ dedicado ao talento

Os quatro pólos da Universidade Católica Portuguesa promovem esta quarta-feira, 20 de fevereiro, um amplo debate sobre o “Talento para o Futuro”. O Jornal Económico é media ‘partner’ da iniciativa.
Comentários