Iberdrola lucra 115 milhões com megacontrato de venda de gás de natural

O grupo espanhol chegou a um acordo com a empresa Pavilion Energy Trading & Energy, para vender o seu portefólio de fornecimento de gás natural liquefeito (GNL), de cerca cinco milhões de metros cúbicos, avaliados em cinco milhões de euros.

A Iberdrola chegou a um acordo com a empresa Pavilion Energy Trading & Energy para vender o seu portfólio de fornecimento de gás natural liquefeito (GNL) a longo prazo. Esta carteira de gás, de aproximadamente cinco milhões de metros cúbicos, está avaliada em cerca de cinco milhões de euros. Com esta transação, a Iberdrola alcança uma receita extra de 115 milhões de euros, segundo revela o jornal “Expansión”, esta quinta-feira.

A avaliação final do contrato encontra-se sujeita a certos ajustes já acordados entre a Iberdrola e a Pavilion, bem como o valor do GNL transferido na altura da conclusão do negócio. Esta operação, que terminará a 1 de janeiro de 2020, faz parte do plano não estratégico de rotavidade de ativos da Iberdrola, que prevê desinvestimentos de 3.500 milhões até 2022, dos quais 50% já foram cumpridos.

A Iberdrola explicou que este acordo representa uma mudança na atual estratégia de fornecimento de gás do grupo para cobrir as necessidades dos seus clientes finais e das suas fábricas de ciclo combinado.

A partir de agora, a empresa de energia vai concentrar-se na distribuição de gás a curto prazo, aproveitando a tendência natural do desenvolvimento dos mercados de gás na Europa.

Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

AHRESP diz que Programa Apoiar pode não ser acessível a 58% do setor da restauração

A condição obrigatória que as entidades disponham de contabilidade organizada, é um requisito que pode impedir o acesso a 58% das empresas da restauração e bebidas, que são Empresários em Nome Individual (ENI), na sua esmagadora maioria inscritos no Regime Simplificado”, diz a Associação.

Mário Ferreira lança OPA sobre 70% da Media Capital. Paga 0,67 euros por ação

Na sequência de uma deliberação da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pluris Investments, de Mário Ferreira, lançou uma OPA obrigatória sobre a totalidade do capital que não controla na dona da TVI.
Comentários