IEFP já recebeu pedidos de apoio à conversão de mais de 4.900 contratos de trabalho

A maioria dos contratos a termo que estas 1.400 empresas pretendem converter têm duração inferior a um ano e em 50% dos casos estão em causa trabalhadores com menos de 35 anos de idade.

No espaço de um mês, mais de 1.400 empresas apresentaram candidaturas à medida Converte+, anuncia o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social em comunicado.

Desde o dia 20 de setembro, data em que abriu o período de candidaturas à nova medida de incentivo à conversão de contratos a termo em contratos sem termo, chegaram ao IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional – pedidos de apoio à conversão de mais de 4.900 contratos de trabalho, refere o Governo.

A maioria dos contratos a termo que estas 1.400 empresas pretendem converter têm duração inferior a um ano e em 50% dos casos estão em causa trabalhadores com menos de 35 anos de idade. Mais de dois terços dos contratos a converter têm salários base superiores ao salário mínimo nacional e em mais de 20% dos casos a transição para contratos por tempo indeterminado deverá dar origem a um aumento da remuneração base dos trabalhadores, lê-se no comunicado.

No balanço da medida o ministério diz que as candidaturas recebidas até ao momento representam um apoio agregado no montante de 12,8 milhões de euros, o que corresponde a aproximadamente 43% da dotação de 30 milhões de euros associada a esta nova medida.

Com a criação da medida Converte+, o Governo deu mais um passo no cumprimento do acordo de Concertação Social de 2018, que previa um reforço e alargamento transitório dos apoios à conversão de contratos.

As candidaturas à medida Converte+ encerram no dia 31 de dezembro de 2019.

 

Ler mais

Recomendadas

Bancos têm até hoje para enviar ao regulador planos de prevenção do branqueamento de capitais

Os bancos têm até hoje para enviarem ao Banco de Portugal os planos de financiamento e os relatórios de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, depois dos prolongamentos dos prazos devido à covid-19. Numa situação normal, estes relatórios já deveriam ter sido enviados pelos bancos, mas o regulador e supervisor bancário anunciou a prorrogação dos prazos em abril, considerando que é de “particular importância” a qualidade da informação financeira e prudencial no atual contexto económico. O Banco de Portugal prolongou ainda, para 12 de junho, o reporte de informação financeira em base individual e o reporte de informação para fins de supervisão aplicável às sociedades financeiras, assim como a informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação e sobre a evolução da carteira de crédito.

Proprietários tem até hoje para pagar primeira fase ou a totalidade do IMI

Os quase quatro milhões de contribuintes que receberam uma nota de liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) têm até hoje para efetuar o pagamento da primeira prestação ou da totalidade do imposto.

Portugal “entalado” entre dívida e União Europeia

João Duque refere que ajudas às empresas têm de ser “estritamente para acudir à Covid”, enquanto a CIP defende que “não é com moratórias ou com o aumento do endividamento que se resolve o problema”.
Comentários