Ifo. Cerca de 40% dos economistas considera que políticas ambientais europeias são insuficientes

Numa altura em que as políticas de “carbon pricing” da UE se vão estender aos edifícios e aos transportes rodoviários, os economistas consultados pelo Instituto de Pesquisa Económica alemão pedem que também o aquecimento

David Gray/Reuters

Economistas alemães consultados pelo Instituto de Pesquisa Económica (Ifo Institute) exigem que o bloco europeu reforce o combate às alterações climáticas.

De acordo com um inquérito conduzido pela instituição, divulgado esta quarta-feira, 41% dos inquiridos acreditam que ainda há margem para se fazer mais, contra 27% que avalia as políticas ambientais atualmente em vigor, e preparadas para vigorar no futuro, como “apropriadas”. Em contraciclo, 20% acredita que os esforços devem ser reduzidos.

“Os resultados deixam claro: o governo alemão deve responder à nova política climática da União Europeia (UE). Quando o novo Sistema de Comércio de Emissões (ETS) da UE entrar em vigor, o preço nacional do carbono deverá ser abolido ou, pelo menos, reformado fundamentalmente”, refere Karen Pittel, Diretora do Ifo Center for Energy, Climate and Resources.

O ETS, anunciado este mês pela Comissão Europeia, atribui um preço ao carbono e reduz o limite para as emissões de certos sectores económicos a cada ano, tendo ajudado a reduzir as emissões da geração de energia e das indústrias de uso intensivo de energia em 42,8% nos últimos 16 anos. As medidas inserem-se no pacote legislativo “Fit for 55” da UE.

“As emissões de CO2 têm de ter um preço. Pôr um preço no carbono é um instrumento eficaz para obrigar a escolher outras alternativas descarbonizadas. Sabemos que resulta e já ajudou a reduzir as emissões, por isso vamos reforçar e estender à aviação e ao transporte marítimo”, considerou a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen, no passado dia 14 de julho, altura em que o ETS foi anunciado.

O mesmo inquérito, que consultou mais de 170 docentes universitários dá área, revela que estes economistas discordam quanto aos objetivos que as políticas climáticas devem assumir. Já, 68% pedem que o atual ETS seja expandido para cobrir o aquecimento, enquanto que 17% defende que deve ser criado um um sistema paralelo para estas emissões.

Ainda assim, e de forma geral, 45% dos entrevistados são contra os planos da UE de manter as metas nacionais de redução para todas as emissões que não foram cobertas pelo Sistema de Comércio de Emissões europeu. O mesmo se aplica ao aquecimento e ao transporte. Dos inquiridos, 41% são a favor, enquanto 49% rejeitam os planos da UE de integrar simultaneamente o transporte rodoviário ao comércio de emissões e apertar os padrões da frota. Porém, 39% dos docentes questionados acham que essa é a atitude certa.

A Comissão Europeia propõe o alargamento da taxação do carbono ao sector da aviação, que até agora beneficiou de uma exceção e ainda ao sector marítimo, que assim “contribuirá de uma forma justa para o esforço de descarbonização da nossa economia”. O executivo comunitário estabelecerá também metas para os grandes portos fornecerem eletricidade da rede terrestre aos navios, reduzindo, assim, a utilização de combustíveis poluentes que também prejudicam a qualidade do ar local.

“Precisamos disto”, afirmou Von der Leyen, sublinhando que o CO2 emitido diariamente por um navio equivale a 80 mil veículos nas estradas.

Recomendadas

Católica, BPI e Fundação La Caixa criam observatório dos objetivos sustentáveis da ONU nas empresas portuguesas

Filipe Santos, ‘dean’ da Católica-Lisbon, diz que a ideia passa por “monitorizar a implementação da Agenda 2030 das Nações Unidas através do acompanhamento de um grupo representativo de grandes e médias empresas portuguesas e fazer a publicação de um relatório anual”.

Economia circular. Fundo Ambiental apoia projetos de juntas de freguesia com 500 mil euros

O JUNTAr+ recebeu um total de 48 candidaturas, todas consideradas elegíveis. Após a devida avaliação dos projetos, foi elaborada uma lista ordenada, da qual resultaram as escolhas das 19 juntas de freguesia que vão receber os fundos, mediante as respetivas classificações obtidas.

Algarve recebe 14 milhões de euros do PRR para melhorar abastecimento de água

As entidades gestoras de redes de abastecimento de água na região do Algarve poderão beneficiar de apoio a fundo perdido.
Comentários