IGCP vai ao mercado para a primeira troca de dívida do ano e atira reembolso para 2029

O organismo presidido por Cristina Casalinho quer adiar o reembolso de dívida em oito anos. Vai ao mercado para compra títulos que venciam em 2021 e em troca vende OT com maturidade de 2029.

Cristina Bernardo

O IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e da Dívida Pública regressa ao mercado esta quarta-feira para a primeira troca de dívida do ano. O organismo presidido por Cristina Casalinho vai comprar Obrigações do Tesouro (OT) que venciam em 2021 e em troca vender títulos com maturidade de 2029.

“O IGCP vai realizar no próximo dia 29 de janeiro pelas 10:00 horas uma oferta de troca”, informou o Tesouro em comunicado, divulgado esta terça-feira.

A entidade que gere a dívida pública irá comprar os títulos que venciam a 15 de abril de 2021 e em contrapartida vende as OT com maturidade de 15 de junho de 2029.

A estratégia segue assim a explorada pelo Tesouro no ano passado de alongar as maturidades e ‘suavizar’ a curva de amortizações, aproveitando as baixas taxas de juro a que Portugal se tem financiado. Em 2019, fez operações de troca de dívida no valor global de 4.374 milhões de euros, com 2.994 milhões de euros que venciam em 2021 a serem empurrados além desta maturidade.

No Programa de Financiamento para este ano, o IGCP frisou que “a estratégia de financiamento para 2020 centrar-se-á na emissão de títulos de dívida pública nos  mercados financeiros em euros com realização regular de emissões de Obrigações do Tesouro (OT), para promover a liquidez e um funcionamento eficiente dos mercados primário e secundário”, refere, acrescentando que “oportunidades para realizar operações de troca e recompras de títulos serão exploradas”.

[Atualizado às 13h33]

Ler mais

Recomendadas

Grupo EDP impulsiona bolsa de Lisboa

Na bolsa portuguesa, dez empresas cotadas valorizam e oito empresas desvalorizam.

Dúvidas sobre Luís Filipe Vieira travam OPA do Benfica

CMVM tem dúvidas quanto ao preço e aos conflitos de interesses do presidente da SAD e de José António dos Santos, avança o “Jornal de Notícias”.

Goldman lança fundo de ações de impacto ambiental global

O portfólio concentrar-se-á nas empresas que a equipe da sociedade gestora de ativos acredita que podem apoiar uma maior sustentabilidade ambiental e estão bem posicionadas para beneficiar da procura a longo prazo. Isto inclui empresas alinhadas e que seguem cinco temas ambientais principais: Energia limpa; eficiência de recursos; consumo e produção sustentáveis; economia circular e sustentabilidade da água.
Comentários