IMI superior a 100 euros poderá ser pago em três prestações

Governo pretende também mudar o calendário dos pagamentos passando os contribuintes a pagar em maio, agosto e novembro.

A partir do próximo ano, os contribuintes que pagam mais de 100 euros do imposto municipal sobre imóveis (IMI) vão poder fazer esse pagamento em três parcelas, segundo a edição desta sexta-feira, 28 de setembro, do “Jornal de Notícias”.

O Governo quer reduzir de 250 euros para os 100 o valor que tem de ser liquidado de uma só vez, permitindo desta forma que as famílias diluam o peso do imposto ao longo do ano. Atualmente, os proprietários que recebem uma nota de liquidação do IMI até 250 euros são obrigados a pagar de uma só vez.

Somente as famílias cuja obrigação  fiscal seja superior a 250 euros podem recorrer ao pagamento fraccionado. Contudo, se a liquidação não vai além dos 500 euros, é feito em duas prestações, caso seja acima dos deste valor serão três prestações.

A primeira prestação e única para quem paga menos de 100 euros passará a ser cobrada em maio, em vez de abril. Esta mudança no calendário de pagamento deve-se à “crescente complexidade do sistema liquidador”, e também porque a Autoridade Tributária e Aduaneira precisa de mais tempo para montar o processo de cobrança.

Recomendadas

Mais de mil famílias aguardam ainda resposta do IHRU sob apoios às rendas, reconhece secretária de Estado

A baixa adesão a estas medidas de apoio é justificada com a tentativa dos inquilinos de, face a algum rendimento disponível, honrarem os seus compromissos junto dos senhorios, segundo a secretária de Estado. Outras políticas como o Programa de Rendas Acessíveis também não têm tido o impacto desejado, reconhece.
Senado dos Estados Unidos

EUA: Senado aprova novo pacote de estímulos de 1,9 biliões de dólares

O voto duramente partidário resultou na aprovação, após longas negociações, de um novo pacote de estímulos à economia mais afetada no mundo pela Covid-19 que coloca a resposta pandémica em 4,95 biliões de euros até agora.

Madeira quer estar incluída no Banco de Fomento até final do mês

O vice-presidente do executivo madeirense considerou que “se há uma ajuda comunitária à constituição de um banco de fomento para servir a nível nacional, não faz qualquer sentido as regiões não estarem lá representadas”.
Comentários