IMI superior a 100 euros poderá ser pago em três prestações

Governo pretende também mudar o calendário dos pagamentos passando os contribuintes a pagar em maio, agosto e novembro.

A partir do próximo ano, os contribuintes que pagam mais de 100 euros do imposto municipal sobre imóveis (IMI) vão poder fazer esse pagamento em três parcelas, segundo a edição desta sexta-feira, 28 de setembro, do “Jornal de Notícias”.

O Governo quer reduzir de 250 euros para os 100 o valor que tem de ser liquidado de uma só vez, permitindo desta forma que as famílias diluam o peso do imposto ao longo do ano. Atualmente, os proprietários que recebem uma nota de liquidação do IMI até 250 euros são obrigados a pagar de uma só vez.

Somente as famílias cuja obrigação  fiscal seja superior a 250 euros podem recorrer ao pagamento fraccionado. Contudo, se a liquidação não vai além dos 500 euros, é feito em duas prestações, caso seja acima dos deste valor serão três prestações.

A primeira prestação e única para quem paga menos de 100 euros passará a ser cobrada em maio, em vez de abril. Esta mudança no calendário de pagamento deve-se à “crescente complexidade do sistema liquidador”, e também porque a Autoridade Tributária e Aduaneira precisa de mais tempo para montar o processo de cobrança.

Recomendadas

Nancy Pelosi confia em acordo com a Casa Branca para novo pacote de ajuda contra Covid-19

As negociações formais entre a presidente da Câmara dos Representantes, o líder democrata no Senado Chuck Schumer, o secretário do Tesouro Steven Mnuchin e o chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, foram interrompidas sem acordo a 7 de agosto.

PremiumPlano de Resiliência do Governo não convence partidos

Consenso pedido por António Costa é incerto. Bruxelas quer que o Governo aponte mecanismos para evitar fraudes e corrupção nos fundos.

Von der Leyen aguarda “bons resultados” da presidência portuguesa da UE

Numa entrevista à agência Lusa na véspera da sua primeira visita oficial a Portugal desde que assumiu a presidência do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, antecipando a quarta presidência portuguesa da União, sublinha que esta “surge num momento crucial”, pois a pandemia, que provocou a maior crise na Europa desde a II Guerra Mundial, “ainda não acabou e a recuperação está ainda numa fase inicial”.
Comentários