Imigrantes em risco de ilegalidade por falta de vagas nos balcões do SEF

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras não tem vagas para atendimento para renovação do título de residência até ao final deste ano.

A falta de vagas nos balcões do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) pode deixar os imigrantes em risco de ilegalidade. A edição deste domingo do “Correio da Manhã” (CM) relata que a entidade não tem vagas para atendimento para renovação do título de residência até ao final deste ano.

Segundo o “Jornal de Notícias” (JN) de ontem, no primeiro semestre de 2019 foram atendidas mais de 155 mil pessoas no SEF, o que representa um aumento de 24% face a igual período do ano passado, estando a atender todos os dias duas mil pessoas.

“Existe disponibilidade para atendimento para determinados tipos de processos (como a concessão de cartão de residência para cidadãos da União Europeia ou prorrogação de residência) para as próximas semanas”, adiantou fonte oficial do SEF ao JN.

Perante as 141 mil marcações agendadas para atendimento de imigrantes, o SEF suspendeu as marcações por falta de pessoal e ainda não tem agenda para 2020, de acordo com a informação divulgada pelo matutino portuense e pelo “Público”.

Recomendadas

Reutilização de recursos em queda. Economia mundial é apenas 8,6% circular

A quantidade total de recursos que entra na economia global aumentou 8,4% em apenas dois anos. De acordo com o novo relatório da organização Circle Economy, que será apresentado em Davos, o consumo mundial de novos recursos traduz-se em 100 mil milhões de toneladas, um novo máximo histórico.

Passe semanal, deixar Coimbra e a independência financeira. Como a Lime mudou em 12 meses

Apostar no cliente é um dos focos da empresa para 2020, sendo o LimePass o primeiro passo, uma vez que este método faz com que o utilizador poupe metade do que está a gastar atualmente, de acordo com a Lime.

Isabel dos Santos: “Em nenhuma parte destes documentos foi demonstrado qualquer comportamento ilegal da minha parte”

Isabel dos Santos enviou um comunicado às redações acusando o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) de não ter provas contra ela e voltou a afirmar que esta campanha “é puramente política”.
Comentários