PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

O BCP anunciou um resultado líquido do Grupo de 183 milhões de euros em 2020, o que traduz uma queda de 39,4% face aos resultados de 2019 que foram de 302 milhões de euros.

Esta queda foi influenciada pelo contexto de pandemia de Covid-19 e por provisões para riscos legais associados a créditos em francos suíços concedidos na Polónia.

O reforço expressivo de imparidades e provisões totaliza 841,2 milhões de euros em 2020. Um aumento de +55,3% face a 2019, e com um impacto de 299,6 milhões de euros na conta de resultados.

Este reforço das imparidades colocam o custo do risco em 0,91%, o que compara com 0,72% em 2019.

Detalhando: as imparidades para crédito cifraram-se em 509,9 milhões de euros; e há 151,9 milhões de euros de provisões extraordinárias constituídas pela subsidiária polaca (Millennium Bank) para fazer face ao risco legal associado aos créditos hipotecários concedidos em moeda estrangeira.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Novo Banco: Luís Filipe Vieira pede adiamento de audição devido a consulta médica

De acordo com o presidente da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, Fernando Negrão (PSD), Luís Filipe Vieira “pediu que a audição fosse adiada para uma data posterior a uma consulta que tem”.
Comentários