‘Impeachment’. Trump “estava mais preocupado com Biden” do que com a Ucrânia

As audições desta quarta-feira, transmitidas pelas televisões, servem para que o Partido Democrata leve até ao grande público, em directo e pela voz das próprias testemunhas, os seus argumentos a favor da impugnação do Presidente Trump. William Taylor afirma que o Presidente norte-americano reteve o envio de ajuda militar à Ucrânia para que o país anunciasse que ia investigar Joe Biden, um dos seus possíveis adversários nas eleições de 2020.

DR Saul Loeb / AP

O presidente dos Estados Unidos da América disse que não ia assistir a uma “caça às bruxas”, mas a sua atividade no Twitter indicia o contrário. No primeiro dia das audiências ao vivo no inquérito de destituição a Donald Trump, duas testemunhas chave subiram à Câmara de Representantes para contar a sua versão da história, o embaixador interino em Kiev, William Bill Taylor e George Kent, vice-secretário adjunto de Assuntos Europeus.

O embaixador interino, reafirmou a sua convicção de que a Casa Branca chantageou a Ucrânia, entre maio e setembro, e sugeriu que o próprio Presidente norte-americano disse estar mais interessado em prejudicar Joe Biden e outras figuras do Partido Democrata do que em ajudar o Exército ucraniano a combater contra os separatistas pró-russos no Leste do país.

O diplomata denunciou na sua audição uma conversa telefónica ouvida por um elemento do seu staff — da qual só recentemente ficou a par — na qual Trump terá mencionado “as investigações” [a Biden] quando falava com o embaixador dos Estados Unidos da América na União Europeia, Gordon D. Sondland. “No final do telefonema, o funcionário da minha equipa perguntou ao embaixador Sondland o que o presidente Trump pensava sobre a Ucrânia, ao que este respondeu que o presidente estava mais interessado nas investigações a Biden”, continuou.

A revelação da chamada telefónica foi a maior novidade de relevo trazida por William B. Taylor para a sua audição de esta quarta-feira, já que já tinha sido ouvido no mês anterior, quando denunciou que Trump condicionou “por completo” a relação dos EUA com a Ucrânia — incluindo apoio militar e uma receção na Casa Branca — mediante a disponibilidade do sistema judicial e político ucraniano para investigarem o antigo vice-presidente democrata Joe Biden, um então possível adversário de Trump nas futuras eleições presidenciais de 2020.

A Casa Branca e o Partido Republicano afirmam que o pedido à Ucrânia para investigar Biden é legítimo, porque o Presidente Trump estava apenas a exigir do novo Presidente ucraniano uma prova de que a sua promessa de combate à corrupção era para ser levada a sério. Segundo os republicanos, não houve troca de favores porque os ucranianos não sabiam que a ajuda financeira tinha sido congelada – uma versão posta em causa por testemunhas ouvidas à porta fechada.

Já Kent afirmou ter percebido em meados de agosto que o advogado pessoal de Trump, Rudy Guiliani, tinha desenvolvido esforços para pressionar o chefe de Estado da Ucrânia a investigar adversários políticos de Trump. Segundo Kent, essa interferência estava “a infetar a ligação dos EUA com a Ucrânia” e Rudy Giuliani, de acordo com a sua convicção, atuou no sentido de “escavar e encontrar lama política para prejudicar um potencial rival [de Trump] no ciclo eleitoral que se seguiria”, as presidenciais de 2020.

A audiência prossegue na sexta-feira com a antiga embaixadora em Kiev, Marie Yovanovitch. Na audiência privada, a diplomata afirmou ter sido afastada do cargo por Donald Trump, na primavera, vítima de uma “campanha concertada” na qual foi atacada pelo advogado pessoal do presidente, Rudy Giuliani.

Ler mais
Recomendadas

Eutanásia: PS diz que “está em causa despenalizar e não liberalizar a morte assistida”

A deputada socialista Isabel Moreira defende que cada pessoa deve ser “arquiteta livre do seu destino”, destacando que o que está em causa no debate sobre a morte assistida é despenalizar a eutanásia e não liberalizá-la.

Eutanásia: PAN defende que debate no parlamento é sobre “despenalização da liberdade”

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza considera que o que está em causa no debate sobre a eutanásia é decidir manter ou não como crime punível com pena de prisão um “ato de bondade”.

Eutanásia: Bloco de Esquerda define lei como “passo democrático” e recusa “chantagens emocionais”

O deputado José Manuel Pureza apresentou esta quinta-feira o projeto de despenalização da morte medicamente assistida do Bloco de Esquerda (BE) como um “passo democrático” e recusou “manobras políticas oportunistas” ou “chantagens emocionais” nas decisões do parlamento.
Comentários