Incêndios: saiba o que deve fazer para se proteger do fumo

Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alerta para os riscos que as populações correm e deixa alguns conselhos para quem está exposto às consequências que o fumo provoca nos pulmões.

A SPP enumerou um conjunto de conselhos para minimizar os riscos respiratórios durante os incêndios, no seu site oficial.

“A exposição prolongada a temperaturas elevadas é prejudicial à saúde, em geral, e, em particular, ao aparecimento ou descompensação das doenças respiratórias”, pode ler-se no documento.

Alguns destes conselhos passam por proteger a boca e o nariz com máscaras ou lenços húmidos, uma vez que dessa forma a pessoa não irá respirar na totalidade o fumo proveniente da chamas.

Caso o incêndio decorra no interior da habitação, o que se deve fazer é fechar as janelas, as portas e as tampas das lareiras. A acrescentar, nestas situações não se deve fumar, acender velas nem qualquer aparelho que funcione a gás ou a lenha.

Por outro lado, se o incêndio não é no interior da habitação, nem está nas proximidades, o melhor a fazer é não sair de casa e se a pessoa tiver sistemas de purificação do ar, deve colocá-los em funcionamento. No caso de ter ar condicionado, o melhor a fazer é acionar a opção de recirculação do ar.

Para quem sofre de alguma doença do foro respiratório, o aconselhável é manter a medicação de socorro sempre presente.

 

 

 

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Governo garante complemento de estabilização a trabalhadores que estiveram em layoff

O esclarecimento do Governo foi efetuado face às dúvidas suscitadas quanto ao recebimento do complemento de estabilização por parte destes trabalhadores, procedendo à clarificação do regime previsto no 3º do DL n.º27-B/2020, de 19 de junho.

Fenprof pede mais professores e respeito por carga horária nas universidades

A Federação nacional dos Professores também considera que se deve reduzir o valor das propinas e de revogar o estatuto dos bolseiros de investigação, apontando para a sua integração nas carreiras.

Fundação Calouste Gulbenkian doa 12 ‘kits’ de impressão 3D a PALOP

Segundo a Fundação Calouste Gulbenkian, os apoios pretendem aproximar as instituições universitárias e científicas das instituições de saúde nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), esperando, a médio-prazo, “reforçar as iniciativas de inovação social”.
Comentários