“Incompetente arrogância”. Líder da concelhia do PSD/Porto critica “ausência” de Rio no atual “período político crítico”

O presidente da concelhia do PSD do Porto, Hugo Neto, acusa Rui Rio de “incompetente arrogância” e diz que, tanto no trabalho político diário, como na elaboração da listas para as legislativas de outubro, o líder social-democrata “não podia ter desiludido mais”.

O presidente da concelhia do PSD do Porto, Hugo Neto, criticou esta quarta-feira a “ausência” do presidente do PSD, Rui Rio, durante o atual “período político crítico”. Hugo Neto acusa Rui Rio de “incompetente arrogância” e diz que, tanto no trabalho político diário, como na elaboração da listas para as legislativas de outubro, o líder social-democrata “não podia ter desiludido mais”.

“Inacreditavelmente, a um mês e meio de eleições legislativas, o presidente do PSD e o seu núcleo duro decidiram tirar férias, a meio duma crise que, empolada, aproveitada ou não, preocupa os portugueses. (…) A ausência total de PSD, durante duas longas semanas num período político crítico é inaceitável e apresenta um odor demasiado forte a uma incompetente arrogância para que eu me consiga manter calado. O PSD é mais do que isto. O PSD não é isto!”, escreve Hugo Neto, na rede social Facebook.

O dirigente da concelhia do Porto aproveitou a ocasião para clarificar a decisão da secção do Porto em abandonar as listas de candidatos a deputados, que foram aprovadas em Conselho Nacional, no final de julho. Segundo Hugo Neto, Rui Rio impôs “nada mais, nada menos, que 7 nomes” na lista, que “não assegurem nenhum dos critérios lógicos para a construção duma lista de deputados”.

Hugo Neto defende que a lista apresentada pelo círculo eleitoral do Porto não cumpre com “a história e património político do PSD do Porto” e que não é salvaguardado “o equilíbrio territorial e representação mínima das várias sub-regiões do distrito”. “As escolhas feitas não asseguram reforço de competências técnicas ao grupo parlamentar”, sublinha o social-democrata.

“[As listas] não representam as bases do partido, não garantem equilíbrio territorial e não cruzam verdadeiramente o partido com o melhor da nossa sociedade. Rio fez as suas escolhas. Estatutariamente, tinha direito a elas mas não são escolhas de um verdadeiro líder ou, sequer, de alguém que esteja minimamente preocupado em, escolhendo os melhores, deixar um legado positivo”, indica.

Sobre a elaboração das listas, Hugo Neto diz ainda que teve a oportunidade de falar pessoalmente com Rui Rio e de lhe transmitir “o quão grave e errado sinal seria deixar de parte um dos melhores do PSD”. O dirigente fala em “incompreensível injustiça” em vetar o nomes de Miguel Pinto Luz ou Maria Luís Albuquerque e diz que é incompreensível Rui Rio “esquecer o contributo” de Emídio Guerreiro.

“Nas listas, como no trabalho político diário, Rio não podia ter desiludido mais. Personificação máxima do ‘Princípio de Peter’ [da incompetência], Rui Rio, um bom autarca, com quem trabalhei na Câmara do Porto, rodeou-se de gente sem qualidade e tornou-se num presidente do PSD sem rumo nem estratégia”, criticou Hugo Neto.

Ler mais
Recomendadas

PCP propõe cancelar leilão do 5G e criação de um operador de telecomunicações público

PCP considera que o 5G representa uma oportunidade de criar “um serviço público e universal de telecomunicações em Portugal”. Por isso, propõe “uma mudança estratégica no desenvolvimento do setor das telecomunicações”.

Iniciativa Liberal quer que lugares de topo nas entidades reguladoras sejam escolhidos por concurso internacional

A medida consta de um projeto de lei apresentado por João Cotrim Figueiredo, que visa reforçar a independência dos reguladores face “aos reguladores e ao poder político” e assegurar uma “maior abrangência” e maior “nível de competência” das instituições.

Primeiro-ministro francês pede que não se baixe guarda perante ressurgimento da doença

O primeiro-ministro francês pediu esta segunda-feira aos franceses e aos serviços do Estado que “não baixem a guarda” face ao ressurgimento da Covid-19, para que não seja preciso voltar a impor um “confinamento geral”.
Comentários