“Incompetente arrogância”. Líder da concelhia do PSD/Porto critica “ausência” de Rio no atual “período político crítico”

O presidente da concelhia do PSD do Porto, Hugo Neto, acusa Rui Rio de “incompetente arrogância” e diz que, tanto no trabalho político diário, como na elaboração da listas para as legislativas de outubro, o líder social-democrata “não podia ter desiludido mais”.

O presidente da concelhia do PSD do Porto, Hugo Neto, criticou esta quarta-feira a “ausência” do presidente do PSD, Rui Rio, durante o atual “período político crítico”. Hugo Neto acusa Rui Rio de “incompetente arrogância” e diz que, tanto no trabalho político diário, como na elaboração da listas para as legislativas de outubro, o líder social-democrata “não podia ter desiludido mais”.

“Inacreditavelmente, a um mês e meio de eleições legislativas, o presidente do PSD e o seu núcleo duro decidiram tirar férias, a meio duma crise que, empolada, aproveitada ou não, preocupa os portugueses. (…) A ausência total de PSD, durante duas longas semanas num período político crítico é inaceitável e apresenta um odor demasiado forte a uma incompetente arrogância para que eu me consiga manter calado. O PSD é mais do que isto. O PSD não é isto!”, escreve Hugo Neto, na rede social Facebook.

O dirigente da concelhia do Porto aproveitou a ocasião para clarificar a decisão da secção do Porto em abandonar as listas de candidatos a deputados, que foram aprovadas em Conselho Nacional, no final de julho. Segundo Hugo Neto, Rui Rio impôs “nada mais, nada menos, que 7 nomes” na lista, que “não assegurem nenhum dos critérios lógicos para a construção duma lista de deputados”.

Hugo Neto defende que a lista apresentada pelo círculo eleitoral do Porto não cumpre com “a história e património político do PSD do Porto” e que não é salvaguardado “o equilíbrio territorial e representação mínima das várias sub-regiões do distrito”. “As escolhas feitas não asseguram reforço de competências técnicas ao grupo parlamentar”, sublinha o social-democrata.

“[As listas] não representam as bases do partido, não garantem equilíbrio territorial e não cruzam verdadeiramente o partido com o melhor da nossa sociedade. Rio fez as suas escolhas. Estatutariamente, tinha direito a elas mas não são escolhas de um verdadeiro líder ou, sequer, de alguém que esteja minimamente preocupado em, escolhendo os melhores, deixar um legado positivo”, indica.

Sobre a elaboração das listas, Hugo Neto diz ainda que teve a oportunidade de falar pessoalmente com Rui Rio e de lhe transmitir “o quão grave e errado sinal seria deixar de parte um dos melhores do PSD”. O dirigente fala em “incompreensível injustiça” em vetar o nomes de Miguel Pinto Luz ou Maria Luís Albuquerque e diz que é incompreensível Rui Rio “esquecer o contributo” de Emídio Guerreiro.

“Nas listas, como no trabalho político diário, Rio não podia ter desiludido mais. Personificação máxima do ‘Princípio de Peter’ [da incompetência], Rui Rio, um bom autarca, com quem trabalhei na Câmara do Porto, rodeou-se de gente sem qualidade e tornou-se num presidente do PSD sem rumo nem estratégia”, criticou Hugo Neto.

Ler mais
Recomendadas

CDS Madeira admite estender coligação com PSD às autárquicas

O líder do CDS/Madeira e secretário da Economia no Governo Regional admite que o acordo de coligação celebrado com o PSD pode estender-se às próximas eleições autárquicas no arquipélago. “Acho que é possível e já falamos sobre isso”, referiu Rui Barreto numa entrevista à agência Lusa a propósito dos primeiros 100 dias do executivo (assinalados […]

Guardian: Nome de Isabel dos Santos removido da lista de participantes da cimeira de Davos

A Unitel, detida pela empresária angolana, é um dos patrocinadores do evento, mas os organizadores da cimeira de Davos dizem agora que estão a “reavaliar” a participação da empresa de telecomunicações, avança o jornal britânico The Guardian.

Eurogrupo reúne esta segunda-feira com Orçamento português na agenda

O aprofundamento da União Económica e Monetária, a missão intercalar do FMI e a proposta de política económica para os países da moeda única este ano estão entre os outros pontos de agenda do encontro dos ministros das Finanças da zona euro.
Comentários