Incubadora do espaço tem 600 mil euros para 12 startups portuguesas

A incubadora espacial portuguesa está a receber candidaturas para o novo programa de apoio ao empreendedorismo.

NASA

O centro de incubação da Agência Espacial Europeia em Portugal, coordenado pelo Instituto Pedro Nunes, abriu novas candidaturas para startups com projetos de base tecnológica/dados para a indústria espacial. O programa prevê apoiar até 12 empresas nacionais por ano. Cada uma receberá 50 mil euros e acesso a suporte técnico e de negócio.

A ESA BIC Portugal aumentou este ano a sua rede de três para 15 incubadoras no país, para auxiliar empresas que integrem tecnologia espacial em aplicações terrestres, em áreas que vão desde a saúde à energia e transportes, e que pretendam entrar no mercado espacial comercial.

Assim, a rede é agora composta por: Instituto Pedro Nunes Incubadora (Coimbra); NONAGON, TERINOV e Incuba+ (São Miguel, Santa Maria e Ilha Terceira – Açores); PACT (Évora); PARKUrbis e UBImedical (Covilhã); SANJOTEC (São João da Madeira); Startup Braga; Startup Lisboa; Startup Madeira (Funchal); UA Incubator (Aveiro); UALG TEC START (Faro); UPTEC (Porto) e CEiiA (Matosinhos).

Só nos últimos cinco anos, a ESA BIC Portugal incubou 30 empresas, criou mais de 100 novos postos de trabalho e gerou um volume de negócios de cerca de cinco milhões de euros. É o caso da Stratio, da Theia, da Tesselo ou da Undersee.

Recomendadas

CTT lançam desafio tecnológico para startups e programadores

Universitários, empreendedores, empresas de grande dimensão e outras organizações são desafiados a criar uma aplicação móvel que seja capaz de ler todas as informações do código que vem nas cartas/encomendas com uma câmara. Em ‘jogo’ está um prémio de 8 mil euros.

Doctorino: o médico digital antecipado pela pandemia

Em poucos cliques, os pacientes têm disponíveis mais de 40 especialidades médicas, e agora, além de video-consultas, existe também a modalidade do domicílio, com toda a segurança a que os tempos atuais obrigam.

Startup Barkyn fecha ronda de investimentos série A com cinco milhões de euros

Apesar da pandemia da Covid-19, a empresa garante que o impacto da quarentena nos países onde opera foi positivo para o negócio por se tratar de uma empresa exclusivamente online.
Comentários