“Indicação particularmente feliz”. PSD elogia escolha de Francisco Assis para o CES

O líder do PSD, Rui Rio, considera que, com a escolha anunciada pelo PS, “há condições” para se terminar a sessão legislativa “sem o incómodo” e indicar “os seus representantes para os órgãos externos”.

Manuel de Almeida/LUSA

O Partido Social Democrata (PSD) considera que é “particularmente feliz” a escolha do ex-líder parlamentar e antigo eurodeputado socialista Francisco Assis para presidente do Conselho Económico e Social (CES). O líder do PSD, Rui Rio, considera que, com a escolha anunciada pelo Partido Socialista (PS), “há condições” para se terminar a sessão legislativa “sem o incómodo” e indicar “os seus representantes para os órgãos externos”.

“Pelos nomes apresentados pelo PS e pelo PSD, penso que há condições para os deputados da Assembleia da República aprovarem as indicações e que, dessa forma, possamos terminar a sessão legislativa sem o incómodo de termos um Parlamento que não foi capaz ao longo de um ano inteiro de indicar os seus representantes para os órgãos externos”, considerou Rui Rio, num comunicado enviado à agência Lusa.

Conhecidas as divergências políticas entre Francisco Assis e o primeiro-ministro, António Costa, o líder social-democrata acrescenta que a indicação do ex-eurodeputado socialista para presidente do CES é “particularmente feliz”.

A escolha de Francisco Assis foi anunciada pela presidente do grupo parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes à agência Lusa. “Francisco Assis é um dos nossos melhores quadros, tendo indiscutível credibilidade na vida política portuguesa”, declarou Ana Catarina Mendes.

A votação está marcada para o próximo dia 10 na Assembleia da República. Para ser eleito no cargo de presidente do CES, Francisco Assis necessita de dois terços dos votos dos 230 deputados. A votação é secreta, mas necessitará obrigatoriamente de um acordo entre o PS e o PSD. Antes de ser votada a escolha do PS, o candidato terá de comparecer numa audição prévia no Parlamento.

A proposta de Francisco Assis para o CES surge depois de ter sido chumbada no Parlamento, no final de fevereiro, a reeleição do ex-ministro da Saúde e militante do PS António Correia de Campos para a presidência do órgão constitucional de consulta e concertação social, com apenas 110 votos favoráveis, de um total de 219 votantes. Já em dezembro o nome de António Correia de Campos tinha sido chumbado por 15 votos.

Ao jornal “Expresso”, o antigo ministro da Saúde já tinha anunciado em março que não estaria disponível para ir a votos pela terceira vez para ser aprovado no CES. “A decisão é puramente individual: não estou disponível para me voltar a candidatar. As razões ficam comigo”, disse, na altura.

Ler mais
Recomendadas

PremiumBruxelas recusa-se a deixar cair caso do procurador europeu

Ministra da Justiça vai ser ouvida no Parlamento Europeu a 4 de fevereiro. Eurodeputados querem novas explicações e contam com apoio da Provedoria.

Ana Gomes encerra campanha com apelo ao voto: “Estas são eleições decisivas para a democracia”

A candidata Ana Gomes defende que participação nas eleições, marcadas para dia 24, é essencial para “reforçar a democracia”, que diz estar “sob ataque”, e “barrar os centrões de interesses” que têm prejudicado o desenvolvimento do país.

Pedro Nuno Santos agradece a Ana Gomes por não deixar socialistas “sozinhos” nas presidenciais

O governante apelou ao voto em Ana Gomes e sublinhou que a ex-diplomata é a única que defende o “socialismo democrático” e com a coragem necessária para “enfrentar quem sempre fez e desfez o país”.
Comentários