Indicador diário de atividade económica diminuiu na última semana

O indicador diário de atividade económica (DEI) e a taxa bienal correspondente diminuíram na semana passada face à semana anterior.

O indicador diário de atividade económica (DEI) diminuiu na semana terminada a 18 de julho face à semana anterior, de acordo com os dados publicados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal (BdP), seguindo a tendência de diminuição registada na semana anterior.

“Na semana terminada a 18 de julho, o indicador diário de atividade económica (DEI) e a taxa bienal correspondente diminuíram face à semana anterior”, refere o banco central em comunicado.

O DEI é um indicador divulgado semanalmente pela instituição liderada por Mário Centeno para acompanhar a evolução da economia, não constituindo uma previsão oficial do Banco de Portugal ou do Eurosistema. Abrange “diversas dimensões correlacionadas com a atividade económica em Portugal”, nomeadamente o tráfego rodoviário de veículos comerciais pesados nas autoestradas, consumo de eletricidade e de gás natural, carga e correio desembarcados nos aeroportos nacionais e compras efetuadas com cartões em Portugal por residentes e não residentes.

O BdP explica que” a evolução recente do DEI encontra-se fortemente influenciada por efeitos base decorrentes dos eventos verificados durante 2020, o que afeta de forma significativa a evolução homóloga da atividade em 2021″, pelo que “uma forma de mitigar a influência destes efeitos base é através do recurso a uma taxa bienal, o que corresponde a acumular a variação, em dias homólogos, para um período de dois anos”.

Recomendadas

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).
Comentários