Indicadores coincidentes para atividade económica e consumo voltam a subir em dezembro

O indicador para a atividade económica aumentou para -6,4 pontos, dos -6,7 pontos registados em novembro e o indicador coincidente para o consumo privado voltou também a aumentar para os -2,1 pontos dos -3,6 pontos registados no mês anterior, diz o Banco de Portugal.

Cristina Bernardo

Os indicadores coincidentes mensais para a atividade económica e para o consumo privado voltaram a aumentar em dezembro, face ao mês anterior, seguindo a trajetória iniciada em agosto, divulgou esta sexta-feira o Banco de Portugal (BdP).

O indicador para a atividade económica aumentou para -6,4 pontos, dos -6,7 pontos registados em novembro e o indicador coincidente para o consumo privado voltou também a aumentar para os -2,1 pontos dos -3,6 pontos registados no mês anterior.

Segundo o BdP, os indicadores coincidentes são “indicadores compósitos que procuram captar a evolução subjacente da variação homóloga do respetivo agregado macroeconómico”.

Assim sendo, refere, apresentam um perfil “mais alisado e não se destinam a refletir em cada momento do tempo a evolução da taxa de variação homóloga do respetivo agregado de Contas Nacionais”.

Este comportamento condiciona a leitura dos indicadores em momentos de inflexão das séries.

O BdP salienta também que os valores passados dos indicadores coincidentes, bem como os respetivos pontos de inflexão, podem ser revistos devido quer a revisões estatísticas da informação de base, quer devido à incorporação de nova informação.

 

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.

PremiumEconomistas alertam para risco de crise financeira

O volume moratórias de crédito quando comparado com o resto da Europa deixa antecipar fortes impactos na banca no pós-Covid.

PremiumUnião Europeia não pode continuar “em velocidade lenta”

O painel do Observatório “A Recuperação Económica depois da Covid-19” sobre ‘O papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global’ foi unânime em considerar que a UE deu, no contexto de combate à pandemia, mais uma prova da sua endémica lentidão.
Comentários