Índice de confiança do ISEG regista subida significativa

Em termos homólogos, a variação percentual do índice passou de 18,4% em março para 26% em abril mantendo-se o efeito base decorrente da queda abrupta do índice em março de 2020 quando teve início o primeiro confinamento imposto pelo combate à crise pandémica.

escola negocios

Em abril de 2021 o índice de confiança do ISEG, relativo à evolução da atividade económica portuguesa no curto prazo, assumiu o valor de 31,5%. Este valor correspondeu a uma subida relevante do nível de confiança relativamente ao mês anterior, em que o valor do índice foi de 30,3.

Em termos homólogos, a variação percentual do índice passou de 18,4% em março para 26% em abril mantendo-se o efeito base decorrente da queda abrupta do índice em março de 2020 quando teve início o primeiro confinamento imposto pelo combate à crise pandémica.

Diminuiu ligeiramente o consenso dos membros do Painel relativamente à evolução da economia.

O índice é atribuído por um painel de dezoito professores do ISEG com base em informação quantitativa e qualitativa previamente recolhida e que inclui os apuramentos de um inquérito realizado mensalmente a todos os docentes do ISEG.

O valor do índice é obtido por média simples dos valores entre 0 e 100 atribuídos respetivamente por cada um dos membros do Painel.

Recomendadas

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.
Comentários