Índice de confiança na economia portuguesa estabilizou, estima ISEG

Índice determinado pelo ISEG avalia a economia nacional numa escala de pontos de confiança. Zero é a confiança mínima e 100 é a confiança máxima.

Dado Ruvic/Reuters

O índice de confiança do ISEG apurado para setembro e relativo à evolução da atividade económica portuguesa no curto prazo foi de 35,3 pontos, de acordo com o índice de confiança do ISEG, sobre a evolução a curto prazo da economia portuguesa, revelado esta quinta-feira.

“No essencial, corresponde a uma estabilização do índice de confiança do painel na evolução da conjuntura face ao valor do índice apurado no mês de Julho, que foi de 35,2. Aumentou o consenso dos membros do painel relativamente à evolução económica”, lê-se no comunicado enviado à redação.

Este índice determinado pelo ISEG avalia a economia nacional numa escala de pontos de confiança. Zero é a confiança mínima e 100 é a confiança máxima. Há um painel de dezasseis professores do ISEG com base em informação quantitativa e qualitativa previamente recolhida e que inclui os apuramentos de um inquérito realizado mensalmente a todos os docentes do ISEG.

Recomendadas

Visitas ao site do JE disparam em novembro, com subida de 33% para 5,8 milhões

O número de utilizadores do site do Jornal Económico aumentou 30% em novembro, face a outubro, para um total de 2,7 milhões. Acessos móveis representaram 79% do total. Plataforma multimédia JE TV tem cada vez mais telespectadores. Obrigado pela sua preferência!

OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

OCDE prevê que economia portuguesa cresça apenas 1,7% em 2021 e 1,9% em 2022

“Economic Outlook” prevê recuperação mais lenta da economia nacional do que a prevista pelo Governo e um pico do desemprego no próximo ano. Mas revê em baixa a quebra do PIB em 2020, apontando para 8,4%.
Comentários