Indico Capital Partners tem 46 milhões para investir em startups tecnológicas

Fundo tem como objetivo identificar, investir e capitalizar as startups ibéricas mais promissoras, em particular as sediadas em Portugal. Valor estará comprometido por investidores de oito países diferentes.

A sociedade de capital de risco portuguesa Indico Capital Partners anunciou esta sexta-feira o lançamento do seu primeiro fundo de investimento, o Indico Capital Partners VC I, com mais de 46 milhões de euros comprometidos por investidores de oito países diferentes, revelou o grupo em comunicado.

Este é o primeiro fundo de venture capital nacional, independente e privado, que irá investir nas fases iniciais de startups tecnológicas, com sede em Lisboa, considerado um dos centros tecnológicos em ascensão na Europa.

O objetivo deste fundo passa por identificar, investir e capitalizar as startups ibéricas mais promissoras, em particular as que se encontram sediadas em Portugal. Com o foco geográfico definido, o fundo irá direcionar os seus investimentos em empresas que atuem em áreas como SaaS (Software as a Service) B2B, Inteligência Artificial, Fintech e Cibersegurança, mas também em Marketplaces e Plataformas digitais B2C.

O investidor principal da Indico, o FEI (Fundo Europeu de Investimento, maior investidor institucional Europeu nesta classe de ativos), vai ter o apoio de mais de 20 investidores institucionais e individuais para alcançar o first closing de 41 dos 46 milhões de euros comprometidos neste primeiro fundo (o fundo tem agora mais 12 meses para continuar a angariar capital).

Deste grupo de investidores fazem parte a IFD (Instituição Financeira de Desenvolvimento) através do Portugal Tech que com este investimento formalizou a sua primeira operação, a Draper Esprit (um dos maiores fundos de Venture Capital mundiais que conta com investimentos como a Revolut), fundos de pensões, instituições de ensino e investigação, entidades gestoras de fortunas, empresários, gestores e empreendedores de tecnologia locais e internacionais.

Este fundo irá investir entre 150 mil e cinco milhões de euros por empresa durante o seu período de vida de 10 anos. As empresas alvo do portefólio do fundo ambicionam tornar-se líderes globais na sua categoria. Os primeiros investimentos da Indico já foram concluídos e serão anunciados em breve.

Stephan Morais, managing general partner da Indico, afirmou que “este é um marco para o ecossistema português; vamos continuar a apoiar as startups tecnológicas portuguesas mais promissoras, mas agora com uma plataforma de investimento estável, maior e independente, suportada por uma base de investidores global e diversificada”.

Ricardo Torgal, General Partner da Indico referiu que as “Venture Capital e startups não são uma moda, é uma atividade profissional que visa construir um portfolio diversificado e estar presente quando as empresas precisam de ajuda para crescer e atingir uma nova fase”.

Por sua vez, Cristina Fonseca, Venture Partner da Indico, destaca que tem “apoiado muitas empresas ao longo dos últimos anos como mentora e business angel, por isso juntar-me à melhor equipa de investimento do mercado foi um passo muito óbvio, até para poder ampliar o meu impacto no ecossistema. É nesta fase inicial que ter apoio de pessoas experientes e acesso a uma rede global pode ser o fator decisivo para o sucesso”.

O presidente executivo do FEI, Pier Luigi Gilibert, mostra-se satisfeito sublinhando que “temos o prazer de fazer uma parceria com a Indico Capital Partners, com uma equipa que cria o seu primeiro fundo institucional e independente para encontrar e desenvolver boas oportunidades de investimento. No futuro, iremos continuar a focar-nos em investimentos semelhantes tanto em Portugal como em toda a UE, para permitir que a próxima geração de empreendedores se desenvolva”.

Ler mais
Relacionadas

Cuatrecasas apoia Indico Capital Partners na criação do fundo de 46 milhões de euros

A Cuatrecasas, Gonçalves Pereira prestou assessoria jurídica à Indico Capital Partners no lançamento do seu primeiro fundo de investimento em capital risco, com mais de 46 milhões de euros – comprometidos por investidores de oito países diferentes –, para investir em startups tecnológicas.
Recomendadas

Sociedades-veículo do ex-BPN reduzem prejuízos em 58% em 2017 para 109 milhões

Os relatórios e contas da Parvalorem, Parups e Parparticipadas, aprovados pelo acionista em 27 de fevereiro, mostram uma recuperação nas contas das sociedades, que, em 2016, tinham apresentado resultados negativos agregados de 264,3 milhões de euros.

Lisboa é a vencedora da Semana Europeia da Mobilidade 2018

O prémio chega a Lisboa pelas mãos do vereador da Mobilidade, Miguel Gaspar. Lisboa estava na corrida ao prémio desde o dia 26 de fevereiro deste ano.

PSD quer auditoria ao período pós-resolução do BES

Segundo o deputado do PSD, António Leitão Amaro, o que é preciso auditar, “e que ainda não foi auditado” consiste no que aconteceu depois da resolução do BES, “como a venda do Novo Banco à Lone Star e o que aconteceu depois disso”, nomeadamente, “as imparidades”.
Comentários