Indico investe meio milhão de euros em plataforma de saúde digital

A Zenklub é uma plataforma de saúde emocional que liga pessoas a centenas de especialistas, incluindo psicólogos, ​coaches e psicanalistas.

Fundada em 2016 pelo médico Rui Brandão e pelo engenheiro José Simões, a Zenklub angariou 500 mil euros junto da Indico Capital Capital Partners. O investimento permitirá à startup com sede em Lisboa e São Paulo (Brasil) expandir a sua atividade e cumprir o objetivo de “conquistar o mercado da saúde emocional avaliado em cinco mil milhões de euros”

Podem ser os utilizadores a escolher o especialista que querem consultar na plataforma ou podem usar o serviço de recomendação personalizada. As sessões podem acontecer por vídeo ou chat. Até à data, a startup realizou mais de 50 mil consultas online e tornou-se líder desse mercado no Brasil. As sessões de 50 minutos custam, em média, 20 euros.

Este é o quinto investimento anunciado pela Indico Capital Partners desde que o fundo foi criado, em janeiro deste ano. Stephan Morais, managing general partner da Indico, justifica o investimento com a visão da ZenKlub para a promoção do bem-estar emocional emocional dos utilizadores. “É uma visão que está inteiramente alinhada com a nossa tese de investimento de usar a tecnologia para o impacto social”, explica.

O Indico Capital Partners VC I, no valor de 46 milhões de euros, é o primeiro fundo de capital de risco nacional, independente e privado, focado em investir nas fases iniciais de startups tecnológicas. A equipa de gestão é composta por Stephan Morais, ex-administrador executivo da Caixa Capital, Ricardo Torgal, ex-gestor de investimentos na Caixa Capital, e por Cristina Fonseca, cofundadora e acionista da Talkdesk.

Recomendadas

Startup portuguesa quer alterar modo de recrutar em tecnologia

Nova plataforma online destinada a “contractors” chega em outubro e chamar-se-á “Landing.work”. Pedro Oliveira, cofundador da empresa por trás desta marca, refere ao Jornal Económico que o lançamento surgiu depois dE perceber que “Mais de 50% dos trabalhadores de TI em Portugal trabalham em regime de outsourcing e/ou staffing”.

Digitalização permite aproximar interior de “novos investimentos”, diz vice-presidente da IP Bragança

O que faz falta é que o interior afirme as suas qualidades: melhor nível de vida, mais tempo, menos tensão. As autoestradas digitais tornam a geografia um mero pormenor.

Sound Particles: “Investidores não querem saber se somos da Europa ou de Silicon Valley”

Nuno Fonseca, CEO da startup portuguesa que viu o software ser usado na produção da “Guerra dos Tronos” criou a empresa em Leiria, mas, neste momento, 60% dos clientes são da Califórnia.
Comentários