Inédito: ‘Yields’ da dívida a 10 anos mais baixas do que em Espanha, diz Mário Centeno

O ministro das Finanças refere ainda, em entrevista à RTP, que mantém as metas do défice e garante que há “bons” sinais no mercado de trabalho.

O ministro das Finanças afirmou esta sexta-feira à noite que os juros da dívida portuguesa a 10 anos tornaram-se mais baixos que os de Espanha esta tarde.

“Hoje, por volta das 15h10, a taxa de juro portuguesa a 10 anos passou, pela primeira vez, para níveis inferiores às de Espanha (…). É um indicador extraordinário e que temos de conseguir manter. É um indicador de credibilidade e da sustentabilidade de todo o processo económico e financeiro português”, referiu, em entrevista à RTP.

O mínimo dos juros da dívida a 10 anos negociado hoje foi de 0,119%. “O mais importante são os diferenciais de taxas de juro. No início da legislatura, com a Alemanha, era superior a 350 pontos base (qualquer coisa como 3,5 pontos percentuais). Hoje não chega a 0,8%. Isto significa que o Estado, mas também (e principalmente) as empresas hoje financiam-se com diferenciais de taxas de juro face às empresas alemãs que são muito mais reduzidos do que em 2015”, explicou o ministro das Finanças.

Mário Centeno diz ainda que o Governo mantém as metas do défice e garante que há “bons” sinais no mercado de trabalho, uma vez que a economia nacional tem registado um crescimento “transversal”. Apesar dos alertas sobre a evolução do investimento – inclusive dos economistas da Universidade Católica -, Mário Centeno destaca que os quase 7% a que a Formação Bruta de Capital Fixo cresceu no segundo trimestre são o “maior valor do investimento em muito tempo em Portugal”.

“Portugal fez um trabalho muito rigoroso, em certos momentos difícil, mas cheio de sucesso para chegar a este momento: mais preparado [para uma crise] do que em 2008″, sustenta. “Mantemos as metas de crescimento mas sempre com a cautela que temos desde o início”, assinala, acrescentando que o equilíbrio das contas públicas permite confiança e “garantir que não estamos a adiar pagamentos para o futuro”.

Em declarações ao canal público, o governante fez ainda referência às “boas notícias” oriundas de Itália esta semana – com a autorização do presidente para Conte formar um novo governo de coligação – e as “incertezas” adjacentes ao processo de saída do Reino Unido da União Europeia, agendado para o próximo dia 31 de outubro.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha sem direção definida

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China continua a fazer estragos nos mercados mobiliários. O dia foi pautado por notícias contraditórias sobre a matéria.

Gás natural garante qualidade do ar, sustentam estudos espanhóis

Para a preparação do relatório geral, que engloba os 30 estudos diferentes, foram utilizadas metodologias que comprovaram as medições relativamente às emissões atmosféricas de diferentes tipos de veículos

António Costa reconhece negociações difíceis para novo Quadro Comunitário de Apoio

O primeiro-ministro alerta que está em curso na União Europeia a criação de um instrumento de orçamento para a convergência e competitividade que deverá ter um bolo de cerca de 22 mil milhões de euros, a que Portugal tem condições especiais para se candidatar.
Comentários