Infarmed e Governo garantem não haver “constrangimentos” nem restrições na administração da vacina da Johnson & Johnson (com áudio)

O Infarmed optou por não limitar nesta fase a utilização da vacina a maiores de 60 anos, embora Rui Santos Ivo tenha referido que, sendo que nesta altura são principalmente as pessoas com mais de 60 anos que estarão a ser vacinadas, serão essas a ser inoculadas com a vacina produzida pela Johnson&Johnson.

Getty Images

O presidente da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) garantiu, esta terça-feira, que a Comissão Europeia e a Agência Europeia do Medicamento (EMA) estão neste momento a avaliar mais duas vacinas contra a Covid-19 para o espaço europeu: a Novavax e a Curevac, que deverá receber a aprovação “em breve”.

Durante a conferência de imprensa, sobre o ponto de situação quanto ao plano de vacinação, Rui Ivo referiu que quanto à vacina da da Johnson&Johnson, esta continuará a ser administrada em Portugal “sem constrangimentos”.

Ou seja, o Infarmed optou por não limitar nesta fase a utilização da vacina a maiores de 60 anos, embora Rui Santos Ivo tenha referido que, sendo que nesta altura são principalmente as pessoas com mais de 60 anos que estarão a ser vacinadas, serão essas a ser inoculadas com a vacina produzida pela Johnson&Johnson.

“É seguro dizer que quer a vacina da AstraZeneca, quer a vacina da Janssen, o beneficio/risco mantém-se positivo”, referiu, acrescentando no entanto, a necessidade de continuarem a serem “monitorizadas” estas situações de reações “muito raras”. Rui Santos Ivo afirmou ainda que Portugal está a “avaliar toda a informação que foi recebida sobre a AstraZeneca”, que permitam perceber “ainda em mais detalhe a utilização nas diferentes faixas etárias”

“Neste momento, em relação a qualquer das quatro vacinas avaliadas e aprovadas pela União Europeia, existem condições para a sua administração”, frisou.

Já Marta Temido, ministra da Saúde relembra que o regulador europeu considerou o fármaco como “seguro e eficaz” e que, até não haverem informações que sugiram restrições etárias, Portugal continuará administrar a vacina. “Essa avaliação é algo que procuraremos que tenha a maior uniformidade possível a nível europeu e que neste momento está a ser realizada pela Agência do Medicamento”, referiu.

“A EMA confirma que a avaliação risco/benefício permanece positiva, é maior a vantagem da administração da vacina face a uma fatalidade provocada pela Covid-19”, sublinha.

Regulador europeu reconhece ligação entre vacina da Johnson & Johnson e formação de coágulos sanguíneos

A EMA reiterou esta terça-feira a confiança na vacina, considerando que os benefícios são superiores aos riscos. Em causa estão o surgimento de eventos tromboembólicos raros, que a EMA considerou terem “uma ligação possível” entre os mesmos e esta vacina, no entanto, afirmou serem reações “muito raras”.

Nos EUA, cerca de sete milhões de pessoas já foram vacinados com este fármaco tendo sido confirmadas, até hoje, oito casos de formação de coágulos e uma morte. Todas estas situações ocorreram em pessoas com menos de 60 anos, informa a EMA, no entanto, “com base nas evidências científicas disponíveis, não é possível confirmar a existência de específicos fatores de risco”. Estes casos dizem respeito a mulheres com idades entre 18 e 49 anos, um dos quais fatais, e foram reportados cerca de duas semanas, após serem vacinadas. No espaço europeu, a responsável garante que “ainda não foram reportados casos” de reações adversas, mas acrescenta que foram usadas muito poucas doses da vacina da Johnson & Johnson.

Portugal já recebeu as primeiras 31.200 doses desta vacina que ficaram armazenadas até haver uma decisão do regulador europeu. Antes desta suspensão das entregas, as autoridades portuguesas esperavam receber, até final deste mês, um total de 86.400 doses desta vacina de toma única, de um total de cerca de 1,25 milhões de doses destinadas a Portugal até final do segundo trimestre e 4,5 milhões até ao final do ano.

A Comissão Europeia contratou o fornecimento de 200 milhões de doses da vacina da Janssen, com a opção de mais 200 milhões.

Ler mais
Relacionadas

“Vamos entrar numa fase de maior disponibilidade de vacinas”, destaca Marta Temido

Para a segunda fase de vacinação, a ministra da Saúde espera “fluidez e celeridade da disponibilização de vacinas”. Marta Temido elogiou ainda o processo de agendamento realizado por parte dos centros de vacinação, sendo que o ato de vacinação tem decorrido sem problemas. 

Portugal prepara-se para vacinar 100 mil pessoas por dia, anuncia coordenador da ‘task force’ (com áudio)

Perante a chegada mais recente das 31 mil doses da vacina da Johnson & Johnson, e a previsão de chegada de mais 1,2 milhões até ao final do segundo trimestre, Henrique Gouveia e Melo estima que o país está preparado “para conseguir enfrentar o próximo desafio que é vacinar a população portuguesa a um ritmo muito elevado, que será dentro de muito pouco tempo, superior a 100 mil vacinas por dia”.

Portugal vai avançar com duas estratégias de vacinação em simultâneo

Graça Freitas relembrou que o principal objetivo do processo de vacinação é “salvar vidas e evitar internamentos” e que as agências reguladores dos medicamentos aprovaram as vacinas, considerando-as eficazes, seguras e de qualidade.
Recomendadas

Meses de Verão vão “mitigar os prejuízos” dos sector das viagens, mas recuperação vai demorar, alertam agências de viagens

Segundo o vice-presidente da ssociação de Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo “o Algarve continuará a ser a região de eleição e os turistas britânicos vão ter muito peso no aumento do turismo no país”.

Laboratório francês Sanofi pode ter vacina contra a Covid-19 até ao final do ano

O laboratório francês Sanofi anunciou, esta segunda-feira, que a sua vacina está a ter bons resultados nos ensaios clínicos e o seu presidente disse mesmo que este novo medicamento pode começar a ser produzido até ao final do ano.

INSA avança com seis estudos de efetividade das vacinas contra a Covid-19

A efetividade das vacinas contra a covid-19 em Portugal está a ser monitorizada através de seis estudos coordenados pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, anunciou, esta segunda-feira, o presidente do INSA, Fernando de Almeida.
Comentários