Inferno, desespero e terror: Os incêndios florestais em Portugal vistos pela imprensa internacional

Desde o último sábado que as chamas consomem milhares de hectares de florestas, destruíram habitações e causaram 30 feridos nos municípios de Vila de Rei e Mação.

Os três incêndios no distrito de Castelo Branco são destaque na imprensa internacional esta segunda-feira. Desde o último sábado que as chamas consomem milhares de hectares de florestas, destruíram habitações e causaram 30 feridos nos municípios de Vila de Rei e Mação.

A agência “Reuters” realça o facto de que os moradores tiveram de combater o fogo com as suas próprias mãos, na tentativa de protegerem as habitações com baldes de água e mangueiras, enquanto os fortes ventos atiçavam as chamas.

A “Al-Jazeera” refere o papel dos mais de mil bombeiros, 23o veículos e 11 aviões que no domingo combateram as chamas em Vila de Rei, que se espalharam ao longo de 25 quilómetros. A estação televisiva do Qatar destaca ainda as aldeias que foram evacuadas por precaução durante a última noite.

Já o britânico “The Guardian” sublinha que o fogo de Castelo Branco “é o primeiro grande incêndio florestal este verão em Portugal” e que as autoridades se encontram as investigar as causas destes incêndios, que foram combatidos por 1.800 bombeiros, dos quais oito ficaram feridos.

Por sua vez, o “The Sun” refere o “desespero dos moradores” que se juntaram aos bombeiros para combater os incêndios em Vila de Rei e Mação. O jornal britânico recorda os devastadores incêndios florestais que fizeram 64 vítimas mortais e feriram mais de 25o em Pedrógão Grande no ano de 2017.

A cadeia “BBC” destaca as palavras do Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita e para abertura de uma investigação para descobrir a origem dos incêndios. “Há algo estranho. Como é que cinco incêndios tão grandes eclodiram em áreas tão próximas umas das outras?”, referiu Eduardo Cabrita.

Por seu turno, o “DailyMail”, indica que um homem de 55 anos foi detido pela polícia portuguesa por suspeitas de iniciar um dos incêndios no distrito de Castelo Branco, e que os ventos fortes e altas temperaturas dificultaram a ação dos bombeiros no último domingo.

Já agência alemã “DW” destaca as palavras do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que expressou a sua “solidariedade às centenas de bombeiros que lutam contra o flagelo dos incêndios”.

A Proteção Civil disse esta segunda-feira que a quase totalidade dos fogos de Vila de Rei e de Mação estão estabilizadas.  As autoridades prevêem também um “dia muito difícil pela frente”. Para esta segunda-feira, o tom é de cautela. “Vamos ter um dia muito difícil pela frente”, destacou o comandante. “Estão previstas duas rajadas para o final do dia que podem atingir os 35 quilómetros por hora, condições difíceis para combater os incêndios”, afirmou Pedro Nunes, comandante do Agrupamento Distrital do Centro Norte.

Ler mais
Relacionadas

Frentes de fogo de Vila de Rei e de Mação estão 90% dominadas

“Há 10% ainda de território, inserido nestas frentes, que carece ainda de muita atenção,10% ainda tem chama”, destacou o comandante Pedro Nunes da Proteção Civil.

Portugal pede ajuda a Bruxelas no combate aos incêndios

Recorde-se que relativamente a 2017, um dos piores anos de sempre de fogos florestais em Portugal, o comissário Christos Stylianides reconheceu recentemente que a ajuda da Comissão Europeia a Portugal nesta matéria foi bastante insuficiente.

Líder da Proteção Civil destaca “extrema violência” dos incêndios no Pinhal Interior

Luís Belo Costa respondeu ainda a críticas de falta de planeamento, dizendo que “planeamos sempre a resposta [aos incêndios] em função do que são os indicadores”, admitindo que “é natural que, às vezes, isto não se note como gostaria”.
Recomendadas

Universidade de Coimbra quer tornar viável a produção de “caviar português” em aquacultura

Tornar viável a produção de ouriços-do-mar em aquacultura, de forma rentável e com reduzido impacto ambiental, é o objetivo de uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra, que está a desenvolver um modelo integrado de cultivo em cativeiro da espécie mais abundante em Portugal.

Restrições na área de Lisboa poderão ser levantadas “muito brevemente”, diz António Costa

O primeiro-ministro revelou esta quarta-feira que as restrições impostas na Área Metropolitana de Lisboa devido à pandemia de covid-19 poderão ser levantadas “muito brevemente”, uma vez que os focos de contágio identificados são “situações muito contidas”.

Restrições ao trânsito automóvel na Baixa de Lisboa adiadas

As restrições à circulação automóvel na Zona de Emissões Reduzidas (ZER) da Baixa de Lisboa, inicialmente previstas para este verão, vão ser adiadas, anunciou esta quarta-feira o presidente da câmara.
Comentários