Inflação na Argentina vai atingir novo pico este mês, segundo ministro do Tesouro

O peso valorizou 13% em outubro para 36,54 por dólar norte-americano. No entanto, a moeda continua 49% mais fraca em relação ao dólar no acumulado de 2018.

A inflação da Argentina, que acumula uma aceleração de 40,5% nos últimos dose meses, deverá atingir um novo pico do ano em setembro e outubro, segundo o ministro do Tesouro argentino Nicolas Dujovne.

“A inflação nos meses de setembro e outubro marcará o ponto alto do ano, em consequência da instabilidade cambial que vivemos desde abril”, disse Dujovne, citado pela agência Reuters. O ministro acrescentou que o índice de preços no consumidor subiu 6,2% em setembro, mas desacelerou nos últimos 10 dias.

O aumento dos preços no consumidor foram agravados pelo enfraquecimento do peso argentino e pelo esforço de contenção orçamental do governo, que inclui cortes nos subsídios públicos. Subsídios reduzidos de água, eletricidade e gás para aquecimento doméstico aumentaram as contas de serviços públicos pagas pelos consumidores.

Em abril, os investidores começaram a rejeitar dívida de curto prazo emitida pelo banco central, devido ao aumento das preocupações com a recessão no país e sobre a sua capacidade do país de cumprir os compromissos financeiros internacionais. A crise de confiança provocou uma corrida à moeda local, o peso.

O peso valorizou 13% em outubro para 36,54 por dólar norte-americano. No entanto, a moeda continua 49% mais fraca em relação ao dólar no acumulado de 2018.

O banco central começou a tentar controlar a desvalorização do peso no início do mês, através da emissão de milhares de milhões de dólares em dívida a sete dias, as Leliqs. Esta sexta-feira, o banco central emitiu o equivalente a 3,7 mil milhões de dólares em Leliqs, com uma taxa de juro média de 72,88%.

Ler mais
Recomendadas

Bolsas da Europa sobem com Brexit. Só Lisboa e Londres fecharam em terreno negativo.

As praças europeias fecharam no verde, no rescaldo do chumbo do Parlamento britânico ao acordo Brexit levado pelo Governo de Theresa May. Só Lisboa e Londres fecharam em queda. mercado nacional terminou em ligeira baixa, apesar dos ganhos registados pela Altri e o BCP.

Trajetória positiva continua e Wall Street abre no ‘verde’

No setor financeiro, destaque para a subida de 3,49% do Goldman Sachs, depois de apresentar resultados acima do esperado. Também o Bank of America avança 5%, ao ter apresentado receitas recorde.

Science4you falha entrada na Bolsa de Lisboa

A entrada na Bolsa de Lisboa tinha sido adiada para 8 de fevereiro, mas a empresa de brinquedos didáticos liderada por Miguel Pina Martins não conseguiu o contrato de liquidez com um intermediário financeiro e acabou por desistir do processo. Após a Sonae MC e a Vista Alegre, é a terceira operação em bolsa cancelada nos últimos três meses.
Comentários