Inflação na China cresce 2,7% em junho impulsionada por alimentos

A inflação na China cresceu 2,7% em junho, em termos homólogos, impulsionada pelo preço dos alimentos, em parte devido à peste suína que afeta o país, segundo dados hoje divulgados pelo Gabinete Nacional de Estatísticas.

Os preços dos alimentos subiram, em média, 8,3%, detalharam as autoridades, destacando as frutas frescas (aumento homólogo de 42,7%), devido em parte do “clima extremo” e a carne de porco (subiu 21,1%).

Mais de um milhão de suínos foram abatidos desde que o primeiro caso de peste foi registado em agosto passado, segundo o Ministério chinês da Agricultura.

A peste suína africana não é transmissível aos seres humanos, mas é fatal para porcos e javalis. A atual onda de surtos começou na Geórgia, em 2007, e espalhou-se pela Europa do leste e Rússia, antes de chegar à China, em agosto passado.

O aumento dos preços não alimentares foi de 1,4%, uma décima a menos do que no mês anterior.

O Gabinete Nacional de Estatísticas divulgou ainda o índice de preços de produção (PPI), que mede a inflação no atacado, e que registou uma queda de 0,3%, face a junho do ano passado.

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

“Queremos estar na linha da frente para relançar a economia nacional”, assegura vice-presidente da IP

Segundo os dados mais recentes fornecidos pela gestora da rede ferroviária nacional ao Jornal Económico, 63% das obras previstas no pano Ferrovia 2020 estão em andamento ou já foram finalizadas, um aumento face aos 52% neste estado que se verificavam em fevereiro deste ano. Estão mais de 800 milhões de euros em obra.

CGTP considera que apoios às empresas e famílias negligenciam “questões essenciais”

“A procura interna e o consumo das famílias, não só no atual período, como na fase que se vai seguir, serão determinantes para relançar a economia, promover emprego e assegurar que os bens e serviços das empresas são vendidos”, sustenta a intersindical.
Comentários