Inflação norte-americana supera estimativas e sobe 5% em termos anuais

Os analistas apontavam para um aumento na ordem dos 4,7%. É o maior crescimento anual desde os 5,4% que se verificaram em agosto de 2008.

A inflação nos Estados Unidos registou um aumento de 5% nos últimos 12 meses, superando as estimativas dos analistas, de acordo com os dados divulgados pelo Departamento de Estatísticas do Trabalho esta quinta-feira, 10 de junho.

Os analistas apontavam para um aumento na ordem dos 4,7%. Este é o maior crescimento anual desde os 5,4% que se verificaram em agosto de 2008. Em termos mensais, a inflação norte-americana apresentou uma subida de 0,6%, ficando assim ligeiramente abaixo dos 0,8% observados em abril.

Com exceção das áreas da energia e alimentação, os restantes sectores registaram subidas 0,7% em maio, após um aumento de 0,9% em abril. O mesmo cenário repete-se na análise dos últimos 12 meses com um crescimento de 3,8% o maior aumento em 12 meses desde junho de 1992. O índice de energia subiu 28,5% nos últimos 12 meses, e a alimentação aumentou 2,2%.

Por sua vez, o segmento de veículos novos verificou um aumento de 1,6% em maio, o maior desde outubro de 2009, enquanto as tarifas aéreas aceleraram 7,0%, após um crescimento de 10,2% no mês de abril.

Recomendadas

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.

PremiumPatrões e sindicatos: resposta à crise não foi suficiente

Desde a burocracia excessiva no acesso aos apoios à insuficiência das medidas para proteger rendimentos e empresas, tanto patrões, como sindicatos apontam falhas no primeiro ano de João Leão à frente das Finanças portuguesas.
Comentários