Infografia | Veja o efeito da redução da retenção de IRS no seu salário líquido mensal

De acordo com as simulações da consultora EY, aplicando um corte de 2% nas taxas de retenção nos salários para os cenários simulados, os acréscimos no rendimento disponível anual das famílias, no próximo ano, poderão variar entre os 14 euros para os contribuintes com salários mais baixos (925 euros brutos) e mais de 200 euros para contribuintes com salários superiores a 3.000 euros.

Relacionadas

PremiumAdivinhem quem vem viabilizar o Orçamento do Estado

Críticas bloquistas tornam possível que a aprovação na generalidade passe pela abstenção de PCP, PEV e PAN. Mas nem o PSD fica fora da equação.

PremiumUm Orçamento contido, mas flexível

Governo apresenta Orçamento “não-austeritário”, mas com contenção. E deixa margem para medidas adicionais contra os efeitos da pandemia.

Leia aqui a Edição Especial OE 2021 do Jornal Económico

Neste número especial do Jornal Económico dedicado ao Orçamento do Estado para 2021, que conta com o apoio da EY, conheça todas as medidas que vão ter impacto nas finanças das famílias e das empresas. E veja as simulações do IRS e das pensões no próximo ano, preparadas pelos especialistas da EY.
Recomendadas

Pandemia custa 3.058 milhões de euros ao Estado até setembro

“Até setembro, a execução das medidas adotadas no âmbito do combate e da prevenção da covid-19, bem como aquelas que têm por objetivo repor a normalidade, conduziu a uma redução da receita de 831,5 milhões de euros e a um aumento da despesa em 2.226,8 milhões de euros”, indica a Direção-Geral do Orçamento na Síntese de Execução Orçamental.

Receita fiscal cai 2.822,7 milhões de euros ‘arrastada’ pela quebra do IVA e IRC

“No mês de setembro a receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado volta a refletir os efeitos da pandemia covid-19, registando-se uma queda de 2.822,7 milhões de euros (-8,3%) face aos primeiros nove meses de 2019”, refere a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

“A justiça tributária foi infetada pela Covid 19 e esteve longos meses em coma”, diz fiscalista

Vânia Codeço, advogada da RFF & Associados – Sociedade de Avogados, revela a impreparação a justiça tributária, em particular dos tribunais, e a resposta lenta às necessidades da gestão da pandemia. Regista ainda que as inspeções tributárias e os processos de execução fiscal pararam, tendo os tribunais tributários funcionado numa lógica de serviços mínimos com o lockdown a transformá-los num órgão de soberania “quase ausente”.
Comentários