ING salienta “contração aguda” do PIB português e projeta recessão de 7,5% em 2020

O banco de investimento holandês diz que o desempenho da economia portuguesa irá ser melhor do que os de Espanha e Itália, países mais afetados pela pandemia. Salienta, no entanto, que recuperação esperada a partir da segunda metade do ano irá ser prejudicada pela queda do turismo e que a economia irá expandir apenas 2,6% em 2021.

Lisboa, Portugal | AFP

A comparação com a vizinha Espanha é favorável, mas isso não significa que os próximos trimestre vão ser fáceis para a economia portuguesa, cuja recuperação da recessão poderá ser limitada pela queda abrupta da atividade no turismo, afirmou o ING.

Numa nota de research, o banco de investimento holandês salientou que o Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal teve uma “contração aguda” de 3,9% no primeiro trimestre de 2020 face ao trimestre anterior, e 2,4% em termos homólogos, o que implica um impacto de crescimento semelhante ao observado para zona euro como um todo, mas também um impacto negativo mais fraco em comparação com Espanha.

“Mesmo que a crise sanitária não tenha sido tão grave como em Espanha, as medidas de contenção tiveram um grande impacto no crescimento”, referiu Steven Trypsteen, economist do ING para os dois países ibéricos.

Recordou que a Covid-19 chegou a Portugal mais tarde do que em outros países europeus, o que  permitiu ao governo português tomar medidas rápidas desde cedo, com a imposição o estado de emergência apenas 16 dias após o início do surto.

“O número de infecções e mortes é, portanto, relativamente baixo em Portugal”, explicou Trypsteen. “As medidas de  confinamento ainda tiveram, no entanto, um forte impacto na atividade económica e antes do estado de
emergência algumas atividades já tinha sido interrompidas e a procura alguns produtos, como atividades de alojamente e serviços de alimentação recuado”.

O economista sublinhou que a contribuição da procura interna caiu para -1,9 pontos percentuais em comparação com -0,7 no trimestre anterior e que a procura externa também contribuiu negativamente para o crescimento (-2 pontos percentuais), com as as exportações a cairem 7,3% e as importações 2,9%.

Trypsteen lembrou que o estado de emergência terminou no início de maio e o país está a reabrir de forma gradual. o
setor a setor. A segunda fase desse ‘desconfinamento’ começa nesta segunda-feira, quando restaurantes, lojas maiores, creches e escolas para grupos de alguns anos reabrir, enquanto a terceira e última fase está prevista para junho.

“Como as medidas de contenção duraram mais no segundo trimestre e estão a ser levantada de forma apenas gradual, o impacto no crescimento do segundo trimestre deve ser mais severo”, vincou.

O ING espera que o desempenho do crescimento de Portugal continue a ser melhor que o de Espanha e Itália no segundo trimestre, e que como a crise sanitária foi menos grave do que naqueles dois países, “parece razoável que
Portugal pode levantar restrições mais rapidamente, o que apoiará a atividade económica”.

“A recuperação esperada a partir da segunda metade do ano será, no entanto, atenuada pela falta de atividade turística”, adiantou o banco holandês, recordando que segundo o Conselho Mundial de Turismo, o turismo e as viagens representam cerca de 19% do PIB e 22% do emprego.

“Supondo que todas as medidas de conteção sejam levantadas até ao terceiro trimestre e que não haverá segunda onda, esperamos que a economia portuguesa contraia 7,5% em 2020 e recupere 2,6% em 2021”, concluiu.

Ler mais

Relacionadas

PIB português contrai 2,4% no primeiro trimestre de 2020, já por influência da Covid-19

De acordo com o gabinete de estatística português, a queda homóloga é a maior desde o primeiro trimestre de 2013 (-3,6%), aquando a intervenção da troika.

Recuperação da economia dependerá do progresso na situação epidemiológica, alerta Governo

De acordo com o Ministério das Finanças, “a severidade da quebra da economia está bem espelhada no impacto que as três últimas semanas de março tiveram na evolução do PIB no primeiro trimestre”.

Queda do PIB de 3,9% em cadeia é a maior desde 1977, refere Católica

A contração das exportações de 7,3% em cadeia representa “um registo próximo do observado aquando o colapso do comércio internacional na transição de 2008 para 2009”.
Recomendadas

Alemanha é responsável por quase metade das ajudas estatais autorizadas por Bruxelas

“Temos, ao todo, 175 medidas [aprovadas] que totalizam cerca 2,13 biliões de euros”, anunciou hoje a vice-presidente executiva da Comissão Europeia, Margrethe Vestager, falando numa audição na comissão de Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, em Bruxelas.

António Saraiva: “Empresas precisam de apoios a fundo perdido. Não querem agravar dívida”

O barómetro semanal CIP/ISCTE revela que 82,2% das empresas preferem apoios para capitalização que não agravem o seu endividamento e 41,7% dizem que querem suspender ou cancelar investimentos previstos para 2020. O presidente da CIP, António Saraiva diz que as necessidades das linhas de apoio às empresas aumentaram para 10,5 mil milhões de euros.

Comércio automóvel quer flexibilidade fiscal para diferir pagamentos do IUC

O setor do comércio automóvel diz que já tem 50% das visitas de clientes, mas precisa de maiores estímulos para o abate de viaturas em fim de vida, referem os participantes no ’30 a 3′ promovido pelo Montepio Crédito em parceria com o Jornal Económico. O setor considera que é preciso aumentar a confiança do cliente para relançar as vendas de automóveis.
Comentários