Iniciativa Liberal critica “reunião preparada para evitar discutir desconfinamento”

João Cotrim Figueiredo aponta “falta de sentido de urgência” ao Governo de António Costa e considera “particularmente grave” que não tenha sido atendido pedido de Marcelo Rebelo de Sousa para uma preparação atempada do regresso ao ensino presencial.

Mário Cruz/Lusa

O presidente e deputado único da Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, reagiu de forma muito crítica à XVI apresentação da Situação Epidemiológica da Covid-19 em Portugal, realizada nesta segunda-feira no Infarmed, considerando que “parecia uma reunião preparada para não tomar decisões e para evitar discutir o desconfinamento”.

Numa reação na Assembleia da República, de onde acompanhou por videoconferência as apresentações dos especialistas e participou na sessão de perguntas e respostas, três dias antes de os deputados votarem a renovação do estado de emergência, João Cotrim Figueiredo realçou que nem a taxa de transmissibilidade do SARS-CoV-2 mais baixa desde o início da pandemia nem a redução drástica no número de infeções diárias impediu que fosse uma má reunião.

“Particularmente grave” para o líder da Iniciativa Liberal foi nada ter sido feito depois de na reunião anterior o Presidente da República ter exigido a preparação atempada do regresso ao ensino presencial, criticando igualmente a inexistência de uma estratégia alternativa baseada na testagem em massa.

Segundo João Cotrim Figueiredo, o Executivo de Antonio Costa persiste em não preparar o futuro, faltando-lhe “sentido de urgência”. “Podemos esperar que o próximo desconfinamento tenha os mesmos resultados do último”, concluiu, prevendo que voltará a haver um aumento do número de casos de Covid-19.

Relacionadas

Ministra da Saúde diz que “ainda não é o momento” para falar em desconfinamento

Marta Temido afirma que se o esforço coletivo e as medidas do Governo se reverterem “voltaremos a atingir números de incidência e de risco de transmissão que não são aqueles de que precisamos”. E sublinha o elevado número de doentes de Covid-19 que continuam internados em unidades de cuidados intensivos.

Coordenador da task force diz que no segundo trimestre o país vai estar a administrar 100 mil vacinas por dia

Henrique Gouveia e Melo acredita que no segundo trimestre do ano o país vai estar sujeito a várias inoculações por dia e defende que será preciso arranjar “modelos alternativos aos centros de saúde ou cuidados primários”.

DGS revela que há uma “descida muito significativa” dos contágios em Portugal

A descida da incidência da Covid-19 tem-se registado em todos os grupos etários e em todas as regiões do país e, nas últimas semanas, verificou-se também uma “consolidação da descida” nos cuidados intensivos e na mortalidade.
Recomendadas

Governo espera reabrir turismo em maio

“Por enquanto, as viagens não essenciais precisam de ser restritas, mas acreditamos que Portugal vai poder permitir viagens sem restrições em breve, não só para pessoas vacinadas, mas também para pessoas imunes ou que testem negativo”, afirmou Rita Marques à BBC.

SATA aprova acordo de emergência. Sindicato diz que salvou mais de 500 postos de trabalho na TAP

Num universo de 213 associados tripulantes da SATA, votaram 152 associados, com 135 votos a favor e 17 votos contra o ‘Acordo de Emergência’, releva um comunicado do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, dando assim por concluído um processo que envolveu 40 reuniões com as administrações da PGA, da TAP e da SATA, num balanco global em que o sindicato destaca que se salvaram mais de 500 postos de trabalho na TAP.

Portugal vai entregar 60 mil testes à Covid-19 a Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

As três nações dos PALOP recebem o material de diagnóstico e rastreio ao coronavírus entre esta sexta-feira e sábado.
Comentários