Iniciativa Liberal desafia PSD e CDS a apresentarem moção de rejeição do programa de governo

Novo partido não pode apresentar uma moção desse género por ter apenas um deputado. Mas João Cotrim de Figueiredo garante que não hesitará em apontar-lhes responsabilidades “pelo que venha a acontecer”.

joão_cotrim_figueiredo_iniciativa_liberal_legislativas
Miguel A. Lopes/Lusa

O deputado do Iniciativa Liberal João Cotrim de Figueiredo vai desafiar os grupos parlamentares do PSD e do CDS-PP a apresentarem uma moção de rejeição ao programa de governo que será apresentado e discutido nesta quarta e quinta-feira na Assembleia da República. Sendo essa possibilidade vedada ao novo partido, pois só tem um mandato, o seu representante considera que “esta é a altura para perceber quem apoia ou não” o programa de governo que será aplicado nos próximos quatro anos.

Segundo Cotrim de Figueiredo, que foi eleito pelo círculo de Lisboa, se o PSD e o CDS-PP não apresentarem essa moção de rejeição “estarão a ajudar a futura desresponsabilização dos partidos que apoiam este programa”. E, segundo o deputado, “estarão implicitamente a ser coniventes com este programa e não hesitaremos no futuro a também apontar-lhes responsabilidades pelo que venha a acontecer”.

Recomendadas

Autárquicas: IL vai reunir-se com Moedas e quer PSD e CDS libertos de “hábitos socialistas”

O líder do PSD, Rui Rio, anunciou esta semana o ex-comissário europeu Carlos Moedas como candidato à Câmara de Lisboa nas próximas autárquicas, um “nome forte”, segundo o presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, e que reuniu “um sólido consenso entre as direções do CDS e do PSD”.

Fundadores da Tendência Esperança e Movimento desfiliam-se do CDS-PP

Abel Matos Santos e Luís Gagliardini Graça, que foram fundadores da Tendência Esperança em Movimento do CDS-PP, desfiliaram-se do partido. Abel Matos Santos chegou a integrar a atual direção executiva de Francisco Rodrigues dos Santos.

Autarcas independentes exigem alterações à lei eleitoral até 31 de março

Autarcas eleitos por movimentos independentes exigiram hoje que, até 31 de março, seja feita “a alteração das inconstitucionalidades” provocadas pelas modificações introduzidas em 2020, pelo PS e PSD, na lei eleitoral autárquica.
Comentários